DON’T STOP | Annie

Postado em Atualizado em

Estressado com a infernal venda de ingressos pro show da Madonna? Tente Annie. É sticky and sweet. E sem a megaestrutura, o megamarketing e os megaproblemas das megacelebridades.

A norueguesa faz pop que derrete no calor. Alguns a chamam da “Kylie Minogue dos indies”. E aí, bateu medinho?

Loura, debochada e com amigos que sacam tudo de dance music, a musa européia foi adotada por blogs graças a Anniemal, de 2004. O álbum, que entrou na lista de melhores do ano da Pitchfork, era uma espécie de Cansei de Ser Sexy embalado em fita cor-de-rosa. Na Noruega, dizem, fazer pop ensopado de glacê não dá ressaca moral.

No segundo capítulo deste conto de fadas, Annie sai em busca do primeiro hit um pouco amedrontada com o fato de que talvez decepcione a torcida virtual. Como eu e você não temos nada a ver com isso (e sério, se a gente desse trela para todos os singles suecos tratados como obra-prima por sites descolados, estaria aqui babando sorvete de morango), não seremos crucificados se consumirmos este álbum com moderação.

Depois de assinar com uma grande gravadora, Annie faz o que todo mundo esperava dela: mais hits açucarados (parte brigadeiro, parte olho-de-sogra aguado) com refrãos de chiclete e letras rebeldezinhas no esquema “eu sei que sua namorada me odeia” (I know UR girfriend hates me) e “meu beijo é melhor que o seu beijo” (My love is better, com guitarras de Alex Kapranos) e “eu não te amo, mas quero te levar para casa” (Take you home).

Para não afastar os que se enjoaram de Timbaland, Annie investe num electro fofo que às vezes lembra o lado mais romântico do pop francês, à Daft Punk e Air. Heaven and hell é uma farra de teclados melancólicos. E Marie Cherie sugere climões de trip hop. When the night é a balada do Cardigans que o resenhista da Pitchfork nunca teria coragem de gostar (e a letra, como nas baladas do Cardigans, também é mais assustadora do que parece). E Sweet é, aviso, bastante sweet.

É um álbum pop divertido (mas irregular) que, se tudo funcionar à serviço de Annie, será superestimado em todo canto. É o som de um verão que talvez já tenha passado, mas quem se importa? Se Madonna decidir gravar um disco com produtores noruegueses, o resultado será exatamente este. Give it 2 me.

Segundo álbum de Annie. 12 faixas, com produção de Annie, Richard X, Timo Kaukolampi e Xenomania. Island Records. **

Atualização: Depois de ter quebrado a cabeça tentando (e não conseguindo) comprar os ingressos pro tal show, desejei ter nascido na Noruega. Isso que eu chamo de hard candy, meu irmão.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s