2 ou 3 parágrafos | Capitalismo: uma história de amor

Postado em Atualizado em

Para aqueles que (como eu) acreditavam que a queda de George W. Bush afundaria o cinema de Michael Moore, Capitalismo: uma história de amor (3/5) mostra que estávamos errados: a eliminação do inimigo provocou um efeito interessante, muito positivo, no discurso do cineasta. Antes, ele era um homem de certezas (Bush era o vírus no intestino da América). Agora, anda cheio de dúvidas: denuncia a crise do sistema econômico capitalista, mas não encontra remédio imediato para a síndrome.

A alternativa mais óbvia ao capitalismo seria o caduco socialismo, mas, antes que critiquemos a ingenuidade de Moore, o próprio diretor sai na frente e elimina qualquer tendência ao radicalismo. O que ele tateia é a possibilidade de um estado social-democrata — gerenciado por trabalhadores — um pouco mais humano do que este que está aí. E sobre isso todos concordamos (novamente, Moore prega para os convertidos, e daí o endeusamento de Barack Obama nos trechos finais, mas que filme triste!).

Em síntese: um longa muito mais complexo (e também sóbrio, uma colcha de tragédias americanas, apesar dos truques sentimentais de sempre) do que os panfletos que ele dirigia até aqui. O escracho é que, desta vez, me parece meio deslocado, como se entrasse no filme por obrigação. Provavelmente, o próprio Moore passa por uma crise. Parece cansado das gracinhas gratuitas, mas não sabe o que fazer com a imagem de provocador incendiário que ele criou. O filme é um reflexo dessas e outras incertezas.

Anúncios

4 comentários em “2 ou 3 parágrafos | Capitalismo: uma história de amor

    Ju Maffia disse:
    junho 24, 2010 às 8:49 pm

    Bom saber que Michael Moore anda desconcertado com a queda de Bush, quem sabe agora começo me interessar pelos docs dele (dúvido…).

    Tiago Superoito respondido:
    junho 24, 2010 às 9:08 pm

    Se ele resolver dirigir um doc sobre a vida marinha, não ficarei surpreso. Sem Bush, abre-se o mundo. Mas por enquanto o Moore continua enfezado com o evil empire mesmo.

    Roberto Queiroz disse:
    junho 25, 2010 às 12:42 am

    Ainda não consegui conferir o novo doc dele, mas estou à procura. É um cineasta que me agrada e é bom vê-lo desconcerto com o rumo que os EUA vêm tomando. Até porque até agora não vi o Barack Obama fazer lá grandes coisas por seu país.

    Tiago Superoito respondido:
    junho 25, 2010 às 12:53 am

    Pois é, mas esse acerto de contas com o Obama vai ficar pro próximo doc. Neste, ele é deus.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s