Pitchfork

[st. vincent]

Postado em Atualizado em

Pitchfork: Críticos geralmente apontam o segundo disco como o momento do “agora ou nunca mais”, mas eu sempre achei que os terceiros discos são mais catárticos, porque o artista de repente se vê livre das pressões.

Annie Clark: É, acredito que é parecido com a forma como as pessoas falam sobre os filhos pequenos. Com o primeiro filho, você administra cada detalhe, quer ter certeza de que nenhum fio de cabelo está fora do lugar quando o menino vai à escola. Mas, com o terceiro filho, é mais como “oh, você quer usar essa camisa do Hard Rock Café por sete dias seguidos e não pentear o cabelo? Faça isso. Seja quem você quiser ser.”

(entrevista completa aqui).

Heart in your heartbreak | Pains of Being Pure at Heart

Postado em Atualizado em

O disco mais polêmico da temporada, quem diria, é o fofo Belong, do Pains of Being Pure at Heart. A Pitchfork deu nota 8.2 pros nova-iorquinos. A New Musical Express lascou um 3. Nada contra a controvérsia: discordâncias são saudáveis numa crítica que me parece cada vez mais padronizada. Difícil, porém, é torcer o nariz para o clipezinho colorido que eles escolheram para abrir os trabalhos do álbum. Entenda como um curta-metragem sobre a doce vingança de uma banda de rock amadora. Dirigido por Mike Luciano.

Superoito express (8)

Postado em

japandroids

Ou: Pitchfork edition.

Passei a semana digerindo quatro disquinhos indicados pela seção Best new music, a vitrine do site. Talvez por coincidência (talvez não), eles soam como farinha do mesmo saco: poderiam ter sido embalados em cartolina e vendidos numa edição especial dedicada ao novo lo-fi da América do Norte. São produções de baixíssimo orçamento, precárias e sujinhas de propósito, mais ou menos como os primeiros do Pavement e o mais recente do No Age. Bons discos (um deles superou minhas expectativas), mas fico me perguntando: elegê-los não seria também uma estratégia usada pelo site para marcar posição à margem de uma “grande indústria fonográfica” que talvez nem assuste mais?

Aos álbuns.

Post-nothing | Japandroids | 8 | O duo canadense (formado pelo guitarrista Brian King e pelo baterista David Prowse, ambos também vocalistas) lançou esta estreia apenas em vinil e download digital. Entendo a jogada: o som da banda remete a antigos álbuns de pós-punk (os primeiros do Hüsker Dü, por exemplo) e à novíssima onda noise. Isto é: a gerações pré e pós CD. Mas o que surpreende no álbum é como ele vence essas referências de nicho e consegue se aproximar dos interesses de qualquer fã de rock. São canções para o fim da juventude, chocantes de tão sinceras, interpretadas como se fosse a última chance. “Não quero me preocupar com a morte”, filosofam, na excelente Young hearts spark fire. Simplezinho, mas há como não se identificar terrivelmente com eles?

Wavvves | Wavves | 7 | Demorei um pouco para escrever sobre um dos hypes do ano, e admito que (ops) por total desinteresse. Nas primeiras audições, não vi autenticidade nas experimentações de Nathan Williams – elas soaram como isca para fãs do Liars, do Deerhunter, ou de qualquer outra banda que intercala melodias noise com ruminações instrumentais. Aos que também se decepcionaram, um aviso: com o tempo, as coisas melhoram. A fusão de elementos de surf music e noise não é exatamente original (nem tão empolgante quanto parece), mas Nathan parece empenhado em quebrar as tradições do rock californiano – esforço que rende faixas verdadeiramente fortes (So bored) e um punhado de esboços mais ou menos intrigantes.

Songs of shame | Woods | 7 | Um dos principais nomes da Woodsist Records, que lançou álbuns do Vivian Girls e Wavves, o Woods é elogiado por expandir a cena noise com influências folk e clima neo-hippie. É um pouco de partida interessante. Mas, superada a estranheza inicial, o resultado não parece tão ousado quanto, digamos, um álbum do Blitzen Trapper (mal chega perto do que o Animal Collective, Panda Bear fizeram com o gênero). De qualquer forma, lamentos rústicos como Born to lose não nos abandonam facilmente, e podem levar às lágrimas uma cambada de fãs de Bon Iver (se é que eles existem).

Why there are mountains | Cymbals Eat Guitars | 7 | E, por último, nos resta o álbum mais ambicioso (e convencional) deste pacote: o quarteto novaiorquino faz uma viagem de classe econômica ao rock de arena do início dos anos 70, largado em estradas largas e paisagens épicas – um álbum para ser ouvido logo depois de It still moves, do My Morning Jacket, e Real emotional trash, do Stephen Malkmus. Não deixa de soar corajoso: um disco de nove faixas (uma delas se chama Indiana), 62 minutos, lançado sem gravadoras… O começo é um assombro, com And the hazy sea e Some trees, mas o álbum abre espaços amplos demais para uma banda ainda em formação. Faltou um bom montador a este belo road movie.

PS: Ontem vi o show do Oasis. Pela tevê. Não sei se vocês sabem, mas, num passado distante, madruguei numa loja de discos aqui da cidade para comprar Be here now no dia do lançamento. Vocês sabem, não sabem? Eu era fã. Daí minha frustração (que já vem de muito tempo, aliás) com uma banda que, sem saber o que fazer da própria vida, passaria a se apegar desesperadamente aos dois primeiros álbuns e gravar mediocridades em série. O show retrata perfeitamente essa falta de rumo: anos 90 no repeat. Nunca me senti tão velho.

‘This is why Pitchfork sucks’

Postado em Atualizado em

Se meu avô tentasse ouvir um disco da Joanna Newsom, ele provavelmente também desistiria nos primeiros quarenta segundos. A harpa! A voz! O programa Breakfast at Sulimay’s, da Scrapple.tv, convida três velhinhos simpáticos e aposentados para comentar canções de indie rock e rap. O resultado é hilariante. Neste vídeo, The Thermals, The Decemberists, Clipse e Newsom passam pelo crivo dos jurados. Na Pitchfork tem mais. Eu recomendo o do Animal Collective (repare a expressão de ódio da vovó).

Aliás, a Pitchfork, o site mais odiado nas geriatrias do planeta, está com visual reformulado e duas boas novidades: agora dá para ouvir álbuns resenhados; e as ‘track reviews’ felizmente retornaram (com Phoenix e tudo, ouçam lá).

Melhores de 2008 | A lista da Pitchfork

Postado em

E até que, no fim das contas, não foi uma surpreeeeesa. A Pitchfork entendeu que 2008 foi mesmo o ano do Fleet Foxes (e não me pergunte como isso aconteceu!) e presenteou a banda de Seattle com o primeiro lugar da lista de 50 melhores discos do ano. Os moleques devem estar se sentindo, como diria minha vó, feito pinto no lixo.

E nenhum susto entre os 10 mais. Quer dizer: TV on the Radio em sexto lugar é brincadeirinha, não?

1. Sun giant EP/Fleet Foxes – Fleet Foxes
2. Third – Portishead
3. Nouns – No Age
4. In ghost colours – Cut Copy
5. Microcastle/Weird era cont. – Deerhunter
6. Dear science – TV on the Radio
7. Vampire Weekend – Vampire Weekend
8. Saturdays=Youth – M83
9. Hercules and Love Affair – Hercules and Love Affair
10. Uproot – DJ/Rupture

E tudo bem, tudo bem: eu vou ouvir com mais cuidado o álbum do M83.

Guest list

Postado em Atualizado em

Como manda a tradição, a Pitchfork pediu que alguns dos indies favoritos do planeta fizessem listinhas de melhores de 2008.

O resultado está aqui.

E, bem, além de servir de inspiração para nossas listas, a rodada mostra que o gosto dos músicos muitas vezes destoa terrivelmente das opiniões dos críticos. Alguns exemplos que irritariam a equipe da Pitchfork: Tad Kubler, do Hold Steady, votou no álbum do Oasis; a número 1 do The Bug é Erykah Badu; as Watson Twins adoram o Elbow; e Fred Nicolaus, do Department of Eagles, admite curtir Coldplay.

Por aí vai. Mas algumas coincidências entre as listas são recorrentes, e os críticos concordariam: Fleet Foxes, Department of Eagles e Vampire Weekend estão em todo canto. Deerhunter e Deerhoof também deram as caras. E, na turma do alt.country, o My Morning Jacket parece imbatível.

Detalhe: o Fleet Foxes, além de bons discos, também faz boas listas: escolheram Department of Eagles, Blitzen Trapper, The Walkmen, No Age, Deerhunter, Bonnie ‘Prince’  Billy… É o ano deles, certo?