Nada Surf

♪ | The Stars are Indifferent to Astronomy | Nada Surf

Postado em

Os nomes das músicas deste sexto disco do Nada Surf são tão adoráveis que a gente até torce para que as melodias, em algum momento, nos arrebatem. Não acontece — mas, em tese, um álbum com faixas chamadas Jules and Jim, Teenage Dreams e Let the Fight do the Fighting teria que ser algo estratosférico. O que só aumenta, infelizmente, o potencial de frustração de um disco que esgota todas as suas possibilidades nos primeiros dois minutos, usando os outros 36 para ficar reprisando preguiçosamente, mecanicamente, tudo o que sabemos sobre a banda. O modelo sonoro que eles ainda usam, catando migalhas de um certo indie rock anódino dos anos 90 (isto é: imitadores de Weezer indo pra galera) impede qualquer aventura: os arranjos e os versos não me parecem apenas simples, mas precários. O vocalista Matthew Caws, suponho (mas posso ter interpretado tudo errado), escreveu essas músicas para simular o impacto deslumbrante que o pop rock mais tatibitate pode provocar na sensibilidade de uma criança. O halo, talvez por isso, é de falsa ingenuidade — doce nostalgia, coisa e tal. O chato é que percebo muita fórmula e pouco encantamento nessas lembranças. “Sempre sinto estar esperando por alguma coisa”, ele diz. Sem querer ser inconveniente, mas… Isso está óbvio, meu velho.

Sexto disco do Nada Surf. 10 faixas, com produção da própria banda. Barsuk Records/City Slang. C