‘My Nigga’, YG

Postado em Atualizado em

***

My Krazy Life não é, de forma alguma, um grande disco – principalmente porque  os versos soam como colagens tão banais de obviedades do hip-hip que, a partir da quarta ou quinta música do disco, parei de me preocupar com eles por completo. Mas é curioso o que acontece com o álbum quando as canções passam a soar como temas de fundo, como um bla-bla-bla distante e desprezível: a química entre rapper e produtor se torna ainda mais clara. E aí tenho que concordar com quem nota que o bate-bola entre YG e DJ Mustard é o que mostra mais entrosamento no hip-hop desde  duo Drake e Noah “40” Shebib. O que resulta disso é uma coleção de músicas mais ou menos interessantes que nascem e fluem dentro de um organismo musical todo particular. O conjunto é tão bem definido e coeso que os detalhes toscos passam a parecer menos irritantes. É, dito isso, o melhor disco de rap que ouvi, por enquanto, em 2014 (não há muitos outros, mas é o melhor).

 

Anúncios

‘A Little God in My Hands’, Swans

Postado em Atualizado em

***

“I don’t set out to be profound, but I wannna be inside this experience. You Europeans seem to have an intellectual bent towards analysing the experience before you experience it. Whereas in America – and it’s hard to generalise; we have some astute intellectuals as well – I think we kind of throw ourselves into it then figure the shit out later. That’s what I do, anyway” (Michael Gira em entrevista a Tom Fleming, do Wild Beasts, na NME)

‘Passing Out Pieces’, Mac DeMarco

Postado em Atualizado em

***

Watching my life, passing right in front of my eyes
Hell of a story, oh is it boring?
Can’t claim to care, never been reluctant to share
Passing out pieces of me, don’t you know nothing comes free?

***

Sobre Salad Days:

Depois de lançar um disco pequenino e muito elogiado, talvez Mac DeMarco tenha pensado em retornar com um álbum muito maior. Se essa ideia passou pela cabeça dele, felizmente o sujeito a abandonou. Este compositor se torna forte e particular quando lida com melodias por vezes minúsculas, acordes dedilhados de guitarra e versinhos bem arejados. Daí que o disco, mesmo mantendo o molde do anterior, traz novidades sutis que provocam tremendo impacto – pense em duas ou três pedras atiradas num lago supersereno. Os lances psicodélicos em Passing Out Pieces, no fim de Brother e em Chamber of Reflection (uma homenagem explícita e até surpreendente a Alone Again Or, do Love)  perturbam o álbum de tal forma que o conjunto, ainda que muito familiar, passa a parecer único. Apesar de que, em quase todas as músicas, DeMarco segue deixando a impressão de que vai danar-se a embalar uma versão indie de Alagados, do Paralamas do Sucesso, a qualquer momento.

‘I Hope This Whole Thing Didn’t Frighten You’, The Hold Steady

Postado em

***

“At 42 years old and six records in, making a mellow record would have been obvious” (Craig Finn à Uncut)

***

I heard the Cityscape Skins are kind of kicking it again
heard they finally got some discipline
running up the score and stocking up
like its World War IV
I heard that some are getting sprung
and some are back in
you know it’s always back and forth
and some of them are dead and most of them
don’t even live here anymore

So when I brought you back here for Christmas
I didnt think we would see them
I guess I shouldve explained

(Chorus)
There was a side of this city I didnt want you to see
Theres just these guys that I know we go back pretty deep
and I hope this whole thing didnt frighten you
there were times that it terrified me
I know what they said, I dont know if its true
I hope this whole thing didnt frighten you

They’re building a bunker down by the river
someone said thats where theye been getting together
theyve got masks for the gas
theyre sleeping in bulletproof vests
I guess shepard came out of St Cloud with a little ideology
its a different way of thinking, man
a view to the future
Jesus, this might be a mess

For me it was mostly the music
a crew to go to the shows with
I guess I should’ve explained

(Chorus)

They never care if it’s true
as long as they got something to prove
and they always got something to prove

and they run from the dudes
and they cranked up the tunes
I can tell this whole thing kind of frightened you

(Chorus)
I saw you look at their shoes
I saw you look at their teeth
I can tell this whole thing kind of frightened you
saw you tappin your arm like
you wanted to cruise
I can tell this whole thing kind of frightened you

[lost album: so this is goodbye]

Postado em

Há uma seção na New Musical Express chamada Lost Albums em que cantores/bandas que estão em evidência comentam rapidamente sobre um disco que, segundo eles, foi subestimado quando lançado. Na edição da semana passada do semanário, Tom Fleming, do Wild Beasts, escolheu So This is Goodbye (2006), do Junior Boys. A seguir, o que ele escreveu:

“It’s rated among people I know, but I don’t think it got the wider recognition ir deserved. They’re almost dubstep, but from when dubstep was less about bass and more about reverb and space. It’s essentially dance music and it’s a wonderful, wonderful album. There are some great sounds on it. This was their second record; their first album ‘Last Exit’ got a bit more attention, but their second one is even better. It’s much more aggressive than the first one, heavier-sounding and really sad. It’s definitely a break-up record”.

Não preciso dizer que concordo totalmente com ele (escrevi muito sobre So This is Goodbye em muitos dos meus antigos blogs), mas o elogio de Fleming me ajudou a notar semelhanças entre a sonoridade do Junior Boys e a do Wild Beasts. São duas bandas que se tentam explorar o máximo de alternativas possíveis dentro dos limites rígidos, duros, por vezes claustrofóbicos mesmo, que elas criam para demarcar os álbuns delas. São discos nos cobram um certo tempo para que nos habituemos a eles e que, talvez por isso, corram o risco de se tornar “álbuns perdidos”, infelizmente.

O post abre com o clipe da minha faixa predileta de So This is Goodbye, In the Morning.

THE LIGHTS FROM THE CHEMICAL PLANT, Robert Ellis

Postado em Atualizado em

ellis

Robert Ellis é um texano de 25 anos que mora em Nashville. Se resolvesse cantar no The Voice, possivelmente chegaria à final do reality show. Superficialmente, ele é estranho, “errado”. A voz de Ellis, tecnicamente perfeita, vestiria bem qualquer canção: de Sweet Home Alabama a Wrecking Ball, e é essa ideia de versatilidade (bem típica dos crooners) que os auditórios televisivos aplaudem.

Nada disso soa como elogio, eu sei. Os cantores mais dissonantes e cheios de peculiaridades interessantes raramente são aprovados nas audições às cegas do programa de TV. Mas, no caso, é apenas uma constatação: estamos falando sobre um vocalista aparentemente amável, para toda a família.

O maior ídolo de Ellis é Paul Simon e, tal como o autor de Mrs. Robinson, o texano sofre críticas por soar organizado, polido, agradável demais. Não é o que acontece (verdadeira e profundamente) em ambos os casos, mas audições rápidas e desatentas podem levar a essa conclusão.

Os discos de Ellis não são resenhados na Pitchfork, por exemplo, talvez por serem enquadrados como “álbuns de gênero” – discos de country music que não destoam da média. O curioso é que o cantor vem demonstrando uma curiosidade cada vez maior por transitar entre gêneros (do country ao folk ao pop ao rock) – ele persegue uma ideia de liberdade, de ampliar o próprio território musical, que inexiste em muitas bandas valorizadas por publicações e sites de música pop.

Aparentemente, Ellis é um conservador, já que valoriza certas tradições do country e do rock clássico. Mas a comparação entre seus dois discos – o anterior, Photographs, de 2011, e este – revela um compositor em fase de crescimento, em nada nostálgico e que, com muita naturalidade, coloca em prática a ideia de uma música country revigorada por uma geração que cresceu usando internet. A primeira faixa, TV Show, é um perfil de um homem que se isola do mundo vivendo de acordo com a programação do… Netflix? Ele não especifica, mas temos elementos para acreditar que sim.

Os temas típicos do country – a solidão, o isolamento, o desencanto amoroso – estão todos no disco, mas refletidos na tela pessoal de Ellis, com cenários urbanos e conflitos que, às vezes, são próximos demais de seu cotidiano. A última faixa, por exemplo, é o lamento de um músico em turnê, que não sabe se a namorada o esperará quando ele voltar para casa e que, antes disso, vai a “bares de hipsters” à procura de companhia.

É preciso ignorar muitos clichês da crítica musical supostamente alternativa – que está pronta para elogiar bandas que misturam Bruce Springsteen com shoegazing, mas se perde ao não conseguir analisar a obra mais recente do próprio Springsteen – para embarcar num disco ao mesmo tempo tão pop e tão desesperado. Uma das baladas conta a história de um homem que coloca a culpa de todos os seus problemas em uma garrafa de vinho e em uma bolsa de cocaína. Em outro trecho do álbum, Ellis narra o drama de um personagem que perde tudo, mas não o orgulho, com uma franqueza triste que me lembra o Elliott Smith de Alameda.

O ponto central do disco – e o mais controverso – é uma versão absolutamente delicada, quase onírica, para Still Crazy After All These Years, de Paul Simon. Numa primeira audição, ela pode soar sentimental demais, amanteigada. Pouco a pouco, começa a deixar a impressão de um registro definitivo. Enquanto muitas bandas de indie rock distorcem o rock clássico e o country aplicando a eles uma sensibilidade de fã de rock, Ellis faz o contrário: ele é um compositor de formação country se aventurando por outras paragens. No meio do caminho, talvez sem querer, supera muitos preconceitos que fazem do indie rock um cenário por vezes monótono e seguro demais.

‘Chemical Plant’, Robert Ellis

Postado em Atualizado em

***

“It’s easy, especially for other countries, to have this idea of Texas or Nashville… but the reality is that even if you are in rural Texas, most of the time you have the internet – and I grew up with that. So for me to be this one thing is just really dishonest, when I have the whole world at my fingertips.” (Ellis ao The Independent)

***

In a small town down on the highway to coast
Factories and churches lay on dusty gravel roads
This is where they first met
Such a long time ago

Young runners ,what the hell is?
Foolish and unguarding,following blindly without fear
Skippin’ school and hoppin’ fences
Making love down by the pier

Love like in a man’s react
Constellations in the black
The lights from the chemical plant
Burn bright in the night like an old kerosene lamp
From a car parked by the ocean
What a vision to behold
The lights from the chemical plant

She says my heart is like an orphan
And your words are like home
I do not deserve such kindness
Keeps me warm down to my arms
We bear some strange familiar likeness
To a man I feel I know

As if to keep each other safe
They spent the night and then embrace

And the lights from the chemical plant
Burn bright in the night like an old kerosene lamp
When all seemed unstable
I could watch how they were there
The lights from the chemical plant

All the years pass by the’
So I’m ‘
And whenever things got rough,the pain they share
But no matter when death comes
It is on timely
She sat next to him
And tried hard to prepare

How can you still see them?
Through the window if you look
They are still there
Open up your eyes
Just once more, darling
Cause without I know I just can’t bear

The lights from the chemical plant
Burn bright in the night like an old kerosene lamp
I was sure that they would always be there
And one day they were gone
The lights from the chemical plant