cine | Precisamos falar sobre Kevin

Postado em Atualizado em

Imagino que, com os temas que aparecem nesta adaptação do livro de Lionel Shriver, seria possível pautar uma edição especial de um programa de tevê à la Oprah Winfrey. O título não é desonesto: o filme trata de assuntos importantes, urgentes, e sobre eles precisamos falar. Exemplo: o que fazer quando o seu filho não gosta de você? Ou: como lidar com as consequências da violência juvenil? Mais: até que ponto os pais são responsáveis pelos erros dos filhos? E: existiria algo inato no comportamento de crianças más?

Uau. Eu passaria uma tarde inteira conversando sobre cada um desses tópicos. Mas não sei se seria muito palpitante falar sobre o filme em si. Certamente, nesse caso, uma das questões em discussão seria, ahn, a forma como a diretora Lynne Ramsay cria uma narrativa entrecortada, que se deixa influenciar pelo estado mental confuso da personagem principal. Ou conversaríamos sobre o detalhismo da cineasta, que presta atenção aos detalhes das cenas (são muitos os closes, e eles provocam certa aflição), ao uso de cores (vermelho sobre vermelho, em repeat) e à composição ultradelicada da trilha sonora (que vai nos asfixiando sem que percebamos). São efeitos que compõem um drama potente — pelo menos nos primeiros 10 minutos de projeção.

Depois, lá pelo 15º minutos de filme, quando a trama vai se tornando clara ao público, notamos que os argumentos de Ramsay são fáceis demais. E argumentos simplórios, ainda que úteis a especiais de tevê, invalidam debates sérios sobre qualquer assunto. O defeito do filme, a meu ver, está na composição do personagem de Kevin — um menino-problema diabólico, sem nenhum traço de bondade. A atuação de Tilda Swinton é admirável — e talvez, por isso, estamos sempre torcendo por ela. A personagem que ela interpreta, a mãe atazanada pelo filho indesejado, carrega toda a culpa do mundo. Mas o filme não deixa margem para que duvidemos do caráter do garoto. Numa das cenas, ele joga videogame com a fúria de quem pisoteia um gatinho.

Sob a tutela de um Aronofsky, esse conflito entre mãe assustada e filho psicopata talvez rendesse um filme menos sisudo, mais kitsch e vibrante (resumindo: um Cisne Negro). Em Precisamos Falar sobre Kevin, o tom é sempre o de uma palestra relevante, um artigo solene para acompanhar as breaking news: uma diretora competente usa uma série de recursos audiovisuais interessantes à serviço de personagens aplainados, planejados em excesso, que podem ser catalogados e, por isso, convertidos em temas para consumo rápido (em jornais/revistas semanais?). Não há mistério que resista a tanta simplificação.

(E notem que escrevi o post inteiro sem fazer referência a Elefante — me parabenizem na saída, ok?).

(We Need to Talk About Kevin, Reino Unido/EUA, 2011) De Lynne Ramsay. Com Tlda Swinton, John C. Reilly e Ezra Miller. 112min. C

7 comentários em “cine | Precisamos falar sobre Kevin

    gabrielraugusto disse:
    janeiro 23, 2012 às 2:45 pm

    Você leu o livro, Tiago? Eu gostei bastante dele, então as minhas expectativas ainda são altas pro filme.

      Tiago Superoito respondido:
      janeiro 23, 2012 às 3:25 pm

      Não li, Gabriel. Mas estou lendo o novo dela, Dupla Falta.

    Adalberto disse:
    janeiro 23, 2012 às 4:30 pm

    Não teve jeito, Tiago, a “referência a Elefante” acabou saindo entre parêntesis.Hehehehehehe…

    Tiago Superoito respondido:
    janeiro 23, 2012 às 5:02 pm

    Pois é, haha.

    Felipe Queiroz disse:
    janeiro 24, 2012 às 5:28 pm

    Acho que entendi o que você quis dizer Tiago, e até concordo. É tudo muito exposto e não temos dúvida para quem estamos torcendo. Mas encarei o final com certo mistério. Não acho tão óbvio o motivo de Kevin não ter matado a sua mãe, acho que da margem para várias interpretações. Pelo menos para o filme em si, não li o livro.

    Luanda disse:
    março 7, 2012 às 12:12 am

    thiago,
    eu fui no caminho inverso: pra mim o filme não é simplório. acho que me fez pensar mais nos dilemas da maternidade, nas chantagens e nas pequenas negociações cotidianas dessa reação mãe e filho, nessa dinâmica que está sempre envolta em muita idealização, mas que à portas fechadas….muita gente comparou com a profecia, por acharem kevin uma especie de demian, o filho do demo, mas discordo totalmente dessa interpretação. e o final é soberbo. talvez eu seja suspeita pra falar, morvern callar é meu filme favorito da historia do cinema!

      Tiago Superoito respondido:
      março 8, 2012 às 12:39 am

      Pois é, Luanda, acho que as reações ao filme dependem muito de como se encara o personagem do menino. Pra muita gente (eu, aliás), a forma exagerada como ele é caracterizado anula quase tudo o que o filme teria de potente. Mas há quem aceite os personagens, e acho que, para essas pessoas, o que aparece é um filme muito diferente daquele que eu consegui ver.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s