♪ | Tramp | Sharon Van Etten

Postado em Atualizado em

Se você quiser, Tramp pode ser um disco muito simples.

Ele conta a seguinte história: num período de 14 meses, Sharon Van Etten viveu em Nova York sem residência fixa. Era obrigada, a todo momento, a fazer malas e se mudar para a casa de um ou outro conhecido. O alento da compositora era estúdio caseiro de Aaron Dessner, guitarrista do The National, onde ela gravou algumas canções — lá, se sentiu em casa. Às vezes, amigos como Matt Barrick (Walkmen), Zach Condon (Beirut) e Julianna Barwick acabavam aparecendo.

Nada extraordinário nisso. Músicos gravam. Músicos têm amigos. Músicos, principalmente os independentes, às vezes não têm onde morar.

Mas o contexto do disco, que está muito bem resumido neste texto de divulgação da gravadora Jagjaguwar, não me parece desimportante: o álbum pode ganhar uma série de conotações quando descobrimos que foi gravado nos raros momentos estáveis de um período que, para Sharon, foi de total instabilidade.

Ainda que essa história-de-bastidor não esclareça muitos dos mistérios das canções (e são daquelas músicas que se tornam mais profundas a cada audição), ela talvez explique por que consegue soar, ao mesmo tempo, convidativo e extremamente tenso. A gravação, dirigida por Dessner, é controlada, tranquila; mas as canções estão sempre explodindo em aflição.

Sem querer interpretar o disco além da medida (mas já superinterpretando, me perdoem): desconfio que, para Sharon, o estúdio de Dessner tenha funcionado como um espaço neutro, seguro, para a contemplação das próprias incertezas — um lugar onde ela organizava as impressões do dia-a-dia, como quem revisa os textos de um diário, pouco antes de dormir. Tramp medita sobre o ritmo de uma vida em fluxo, mas não soa simplesmente desamarrado. É, ao contrário, um disco muito forte de afirmação, sobre procurar um lugar no mundo, sobre mudar e crescer.

Esse processo pode ser especialmente complicado, perceba, se você é uma compositora que tenta se fazer notar em meio a uma multidão de cantoras hipersensíveis e supervalentes. Sharon sai perdendo por não ter nenhum truque extravagante à mão (e, perto de Zola Jesus, ela é a mais conservadora das songwriters), e escrever canções que poderiam ser facilmente creditadas ao repertório de uma Feist (nos momentos de maior aspereza, principalmente do disco mais recente). É por isso que Tramp também pode ser um álbum muito difícil: é preciso alguma paciência para notar o que há de particular no temperamento e na arte de Sharon.

E é quando se consegue essa aproximação que o efeito do disco se torna irresistível. Música a música, com um kit de lentes mais generoso do que os equipamentos usados nos dois discos anteriores, é como se Sharon estivesse criando curtas-metragens para representar determinadas situações/sensações — sequências densas, sem muitos encantos imediatos, que vão se abrindo aos nossos ouvidos a cada reprise. Não há minuto perdido, e poucas são as cenas que se repetem. É até emocionante como ela salta de uma canção mais irritadiça (Serpents) para uma balada escrita quase como uma canção de ninar, com sílabas alongadas e coro angelical (Kevin’s). Neste álbum, está claro que ela teve direito ao corte final.

Pelo menos duas canções me parecem eternas, e já estão muito bem acomodadas na minha lista de melhores do ano: a primeira, Give Out, transforma as impressões de êxodo, que a cantora conhece bem, numa love song das mais tocantes (No refrão, ela canta: “você é a razão por que eu vou mudar de cidade/ou por que não vou partir”); a outra, I’m Wrong, começa com uma linha árida de guitarra, que vai ganhando ecos e os efeitos de um jingle natalino .“É ruim acreditar em todas as canções que você canta”, ela repete, e repete, até se deixar soterrar pelo torvelinho de melodia.

E é nesses momentos que, se você quiser, Tramp pode ser o disco mais bonito do mundo.

Terceiro disco de Sharon Van Etten. 12 faixas, com produção de Aaron Dessner. Lançamento Jagjaguwar Records. A

10 comentários em “♪ | Tramp | Sharon Van Etten

    babee disse:
    janeiro 23, 2012 às 6:57 pm

    boa resenha.

    Tiago Superoito respondido:
    janeiro 23, 2012 às 11:38 pm

    valeu, obrigado! :)

    Adalberto disse:
    janeiro 24, 2012 às 12:06 am

    Tiago, eu que já tinha adorado esse álbum; Depois dessa resenha, detalhando os percalços vividos por essa linda SONGWRITER, fiquei ainda mais fascinado com a beleza de seus versos.
    Deixando assim, ótimas impressões sobre os sentimentos expostos nessas canções arrebatadoras de um disco belo e nada simples.

    Diego Maia disse:
    janeiro 24, 2012 às 12:18 am

    Boa mesmo!
    Como songwriter ela me lembra Eliott Smith pelo tom confidencial e cotidiano que você capturou aí. Nos momentos mais raivosos e cheios de hormônios, PJ Harvey dos velhos tempos.

    (e que legal esse release! Pena que nem toda gravadora indie se preocupe com isso)

    Tiago Superoito respondido:
    janeiro 24, 2012 às 10:53 am

    Eu notei mais PJ Harvey (dos primeiros discos) e Tori Amos (também dos primeiros discos) que Elliott Smith, Diego.

    Pois é, Adalberto, belo disco.

    Yasmin disse:
    janeiro 24, 2012 às 2:05 pm

    Atentei pro disco com a sua resenha. Lindíssimo. =) Brigada.

    gabrielraugusto disse:
    janeiro 24, 2012 às 5:58 pm

    Laura Marling ainda é minha melhor amiga.

    Tiago Superoito respondido:
    janeiro 24, 2012 às 6:09 pm

    Opa, Yasmin. Bacana.

    Laura Marling é… Simpática. Hehe.

    alemarucci disse:
    janeiro 25, 2012 às 9:00 pm

    Tô apaixonada por esse disco.
    Não consigo largá-lo.
    Os anteriores são bons assim?

    Tiago Superoito respondido:
    janeiro 26, 2012 às 11:03 am

    O anterior é bem legal.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s