cine | A separação

Postado em Atualizado em

Um amigo antigo, que fazia viagens frequentes ao exterior para trabalhar, certa vez me contou sobre um truque que ele usava quando sentia falta de casa: ia a um shopping center.

Aposto que não acontece só com ele. Para quem está constantamente em trânsito, o shopping deve garantir algum conforto. Mudam os idiomas e os arranjos de (algumas das) vitrines. Mas a organização espacial das lojas e setores, em qualquer lugar do mundo, segue um traçado que quase nunca nos parece bizarro.

Lembrei desse amigo quando assistia a este A Separação. A estrutura do filme, vencedor do Urso de Ouro em Berlim, me pareceu muito semelhante à arquitetura de um shopping center transnacional. Um enorme centro de compras, refrigerado e aconchegante, genérico (mas com a inevitável “cor local”), construído no centro do cinema iraniano – ou de Teerã.

Infelizmente, nunca estive na cidade. Mas, da mesma forma como o turista americano não precisa ter visitado um shopping irlandês para saber como ele funciona, o filme de Asghar Farhadi (do também eficiente – eis a palavra – Procurando Elly) não parecerá exótico ou desconfortável ao espectador de, por exemplo, Law and Order.

Digamos que George Clooney projetasse um remake norte-americano deste filme. Talvez ignoraria alguns dos temas políticos/sociais em que o longa esbarra (a burocracia estatal no Irã, sabemos, dá bons thrillers kafkianos). Mas não precisaria mudar nada daquilo que é essencial ao longa: um roteiro que trata conflitos domésticos com as reviravoltas galopantes de uma fita de investigação – cujos personagens estão sempre escondendo uma parte importante da história. Um filme de gênero.

A câmera de Farhadi sempre treme (e câmeras trêmulas são o ar condicionado do cinema-shopping), e a trama se mantém em movimento acelerado, desdobrando intrigas e testando os códigos morais dos personagens. Todos eles, os tipos, são desenvolvidos com muito engenho: dentro do roteiro (um jogo de tabuleiro), cada um tem objetivos muito específicos, e fará o possível para cumpri-los. São mais de duas horas de filme, mas que passam como 30 minutos.

Uma dessas personagens – uma adolescente que se descobre diante de um dilema terrível – me pareceu verdadeira. Mas este não é um cinema que admiro. Me parece esquemático, prático demais (como num episódio de seriado, os limites do filme são os limites do roteiro), sempre colocando a trama numa posição de superioridade em relação à imagem, ao olhar do cineasta.

Só que, apesar de tudo, não posso negar: é um exercício de storytelling tão bem sucedido quanto os vencedores recentes do Oscar de filme estrangeiro. E eu o recomendaria, ainda que sem muito entusiasmo, ao espectador que busca em filmes (e países) orientais um território narrativo familiar – com, é claro, uma certa cor local.

(Jodaeiye Nader az Simin, Irã, 2011) De Asghar Farhadi. Com Peyman Moaadi, Leila Hatami e Sareh Bayat. 123min. C+ (ou, sendo cínico, B)

2 comentários em “cine | A separação

    guilherme disse:
    dezembro 17, 2011 às 2:26 am

    tô chocado. não vi filme melhor esse ano.

    Tiago Superoito respondido:
    dezembro 17, 2011 às 10:40 am

    Pois é, Gui. Muita gente adora o filme. O tio Ebert o colocou em primeiro na lista de melhores do ano, comparou a Rashomon e o escambau. Não acho que seja tudo isso. E o diretor ainda não me convence. Mas talvez o problema esteja em mim, no fim das contas.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s