[orhan pamuk]

Postado em Atualizado em

Imaginemos que um autor escreve uma autobiografia na primeira pessoa do singular e o faz com absoluta honestidade, assegurando-se de que todos os detalhes de sua vida, centenas de milhares de detalhes, são fiéis a sua experiência de vida. E imaginemos que um editor esperto lance o livro como um “romance” (existem muitos editores espertos capazes disso). Tão logo esse livro é chamado de romance, passamos a lê-lo de maneira muito diferente da pretendida pelo autor. Começamos a procurar um centro, a perguntar-nos sobre a autenticidade dos detalhes, que parte é real, que parte é imaginada. Assim agimos porque lemos romances para sentir essa alegria, esse prazer de buscar o centro (da narrativa) – assim como para especular sobre o conteúdo real dos detalhes e para nos perguntar quais são fruto da imaginação e quais se baseiam na experiência.

Agora devo dizer que essa grande alegria de escrever e ler romances é dificultada ou ignorada por dois tipos de leitor:

1. O leitor totalmente ingênuo, que sempre lê um texto como uma autobiografia ou como uma espécie de crônica disfarçada de experiência vivida, não importando quantas vezes você diga a ele que está lendo um romance.

2. O leitor totalmente sentimental-reflexivo, que acha que todo texto é constructo e ficção, não importando quantas vezes você diga a ele que está lendo sua mais franca autobiografia.

Devo alertá-los para que mantenham distância dessas pessoas, pois elas são imunes às alegrias de ler romances.

[Trecho do livro O romancista ingênuo e o sentimental, de Orhan Pamuk]

4 comentários em “[orhan pamuk]

    Marcus Pessoa disse:
    dezembro 5, 2011 às 7:02 pm

    Que lindo trecho.

    O Pamuk é sensacional. “Neve” é um dos grandes romances de todos os tempos.

    Tiago Superoito respondido:
    dezembro 5, 2011 às 8:37 pm

    Não conheço muitos livros dele, mas essa coletânea de conferências sobre literatura é bacana.

    Bruno Machado de Oliveira disse:
    dezembro 12, 2011 às 1:09 am

    Li um dos ensaios dessa coletânea na edição de novembro da piauí e gostei bastante. Acho que vou me dar o livro de presente. Mas antes vou pegar “Neve” na biblioteca municipal para ler.

    Tiago Superoito respondido:
    dezembro 12, 2011 às 12:49 pm

    Acho que vale a pena ler o livro de ensaios ANTES do ‘Neve’, até pra você saber como é o método do cara.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s