Mixtape! | Finest worksongs

Postado em

Este blog passa por um período complicado, vocês devem ter percebido. Não sei muito bem o que fazer dele. Deve ser uma crise passageira – talvez este blogueiro esteja passando por uma fase de cansaço, não é um período muito tranquilo na vida do sujeito. Todo post que tento escrever me parece uma bobagem. A única medida a ser tomada neste momento, creio eu, é ter paciência.

Estive pensando que seria melhor se este blog voltasse a ser um pouco o que era no início: um sitezinho muito pessoal, pros amigos. Uma espécie de caderno de notas, e nada além disso. Vamos ver o que acontece.

Ouvi muitos CDs, mas acho até que perdi um pouco o ritmo das resenhas – talvez eu escreva um post juntando todos eles, mas ainda não sei como ou quando. Um desses discos que ouvi foi a coletânea do REM. É um álbum duplo, muito longo, muito bom, mas que me deixa um pouco com preguiça. Além disso, senti falta, no repertório, de algumas das minhas canções preferidas da banda.

Quando eles anunciaram a separação, há alguns meses, não me abalei muito. Mas, depois que li algumas entrevistas com a banda e ouvi a coletânea, comecei a sentir falta deles. Acho que sempre foi um dos meus grupos prediletos (os acompanho desde os 10-11 anos de idade), ainda que eu tenha tentado me convencer do contrário quando ouvia os discos mais recentes que eles lançaram.

Hoje, na véspera de viajar novamente para São Paulo (onde vou passar um fim de semana), resolvi preparar uma mixtape muito improvisada (e não tão exaustiva) para ouvir no aeroporto, com 12 faixas que me conectam ao REM, que me deixam com saudade do quarteto. O plano é simples, e é esse – as minhas Finest worksongs: uma viagem pessoal ao vasto-vasto mundo do REM.

Como costuma acontecer nessas minhas coletâneas domésticas, o CDzinho talvez diga mais sobre mim do que sobre as músicas que foram reunidas. Dei preferência aos discos de que mais gosto, e ignorei outros tantos. A ideia não é mapear coisa alguma – e, para quem quiser conhecer um pouco mais sobre o grupo, sugiro o disco duplo que eles acabaram de lançar.

Por se tratar de uma banda grande, que lança discos por uma gravadora poderosa, sugiro que os interessados no mix não esperem para fazer o download. A lista de músicas está na caixa de comentários.

Prometo voltar logo mais com o top de Filmes da Minha Vida e outras atrações (só não me pergunte o que).

Faça o download da mixtape aqui.

13 comentários em “Mixtape! | Finest worksongs

    Tiago Superoito respondido:
    novembro 18, 2011 às 1:31 am

    1. What’s the frequency, Kenneth?
    2. (Don’t go back to) Rockville
    3. Pop song 89
    4. Crush with eyeliner
    5. Get up
    6. Talk about the passion
    7. Man on the moon
    8. Bittersweet me
    9. Sweetness follows
    10. E-bow the letter
    11. Finest worksong
    12. Nightswimming

    Adalberto disse:
    novembro 18, 2011 às 3:44 am

    Tiago, quando soube do fim do grupo, eu também (em plena nostalgia) fíz uma coletãnea com as minhas músicas predilétas dessa bandaça (um dos dez melhores grupos de todos os tempos), que rendeu 52 músicas e eu ainda achei que fui injusto por não incluir mais algumas…kkkkkkkkkkk…
    Entrou músicas de todos os discos deles, heim!…

    Boa viagem e exelente fim de semana, garoto.

    Tiago Superoito respondido:
    novembro 18, 2011 às 10:27 am

    Valeu, Adalberto. Obrigado.

    Daniel disse:
    novembro 18, 2011 às 3:00 pm

    Taí, a primeira mixtape que eu gosto antes mesmo de ouvi-la. E vou poder comentar com mais propriedade (em vez de dizer as bobagens de sempre).

    Acho que tenho pelo R.E.M. o mesmo sentimento que vc. Foi durante anos a minha banda preferida, mas tbm acho que o fim era inevitável e até necessário.

    Eu vi a lista de músicas da coletânea dupla e o maior problema dela é querer dar o mesmo espaço a discos de qualidades diferentes. Acho que 6 músicas do Accelerate e do Collapse Into Now, mais 3 inéditas, é excessivo, se essa teoricamente se pretende “A” coletânea do R.E.M. – a introdução perfeita pra quem não os conhece.

    Vou baixar a coletânea e ouvir na viagem (coincidentemente, tbm vou passar o fim de semana em SP, minha namorada é de lá – se eu te encontrar na rua, não se preocupe, não direi que achava que vc era “mais alto” ou algo do gênero, OK? rs). Comentários daqui a alguns dias, abraço !!

    Tiago Superoito respondido:
    novembro 18, 2011 às 4:50 pm

    Pois é, Daniel, também acho que esse seja o problema da coletânea. O primeiro CD é impecável, o segundo é irregular (por razões óbvias). Mas gosto dela, apesar de não ter paciência pra ouvi-la do início ao fim (as músicas novas são ruins).

    Beleza, estou no aguardo do comentário. Abraço.

    Dai disse:
    novembro 18, 2011 às 6:04 pm

    Sinto muito, Tiago, mas vc não tem o direito de não escrever mais resenhas sobre álbuns. Não depois que já nos apresentou várias das mais belas críticas dos álbuns mais interessantes que já li em português. Agora é sua obrigação alimentar esses leitores que passam por aqui mais de uma vez por dia para ver se a sua extraordinária visão musical já foi publicada. Tem tantos álbuns novos aí, alguns legais outros não, mas que certamente só ficaram completos pra mim depois da sua review.. Haha. Novo álbum do Drake tá bem legal, por exemplo.

    Beijo

    Carlos Campos disse:
    novembro 18, 2011 às 8:45 pm

    Fala, Thiago. Sua lista é pessoal e, portanto, não acabem aqui juízos de valor, mas, pessoalmente, gostei demais dela. Quando do fim da banda postei nos comentários do blog do Barcinski – que fez dois posts sobre o R.E.M. – uma lista com a melhor (ou a música de que mais gosto) de cada álbum e muitas das suas preferidas figuravam nessa minha relação. “Pop song 89”, “Talk about the passion”, “Man on the moon”, “Sweetness follows”, “E-bow the letter” e “Nightswimming” são lindas. Nem se nota sua admiração pelo “Automatic for the People”. hehehe Quanto aos últimos álbuns, sei que você torce o nariz pelo “Accelerate” e o “Collapse Into Now”. O primeiro eu acho um bom disco, mas este, no meu entender, é um belíssimo disco, o melhor desde o “Reveal”, do qual não sei você gosta, mas que eu acho um disco precioso.

    Abraço!

    Marta disse:
    novembro 18, 2011 às 8:59 pm

    Tiago,

    Tal como o Daniel, também eu adorei esta mixtape e ainda nem sequer a ouvi!!! Cresci com REM, tenho a discografia praticamente toda (faltam-me os últimos trabalhos, de que não gostei tanto), fui a dois concertos (houve um outro, que acabou por ser cancelado e, tristinha, lá tive de ir devolver o bilhete) e por isso, é sempre bom ouvir de novo e perceber que, para muita gente, eles ainda continuam a ser uma referência no panorama musical.
    p. s. só mesmo REM para me fazer escrever um comentário, mas aproveito para dizer que gosto deste blog, eu costumo vir aqui espreitar regularmente e é sempre com expectativa que espero pelas suas mixtapes mensais.

    Renato Mazzini disse:
    novembro 21, 2011 às 4:17 pm

    Tiago, tem uma música ‘menor’ do REM, do New Adventures in Hi-Fi, que eu acho fulminante: aquela “be mine”. Entra fácil no meu top 10 do banda. Só comento porque sei que, como eu, você gosta BASTANTE do disco também, como pouca gente que eu conheço, aliás.

    Gostei muito do blog. Estou lendo os posts regressivamente. Muita coisa boa.

    Grande abraço.

    aldemi disse:
    novembro 23, 2011 às 11:23 pm

    boa noite Tiago.Parabéns pelo blog e,principalmente, por seus textos.Você escreve muito bem.
    REM pra mim só causou impacto até Automatic.
    Adoro coletâneas, tanto que por falta de tempo deixei de tecer comentários e agora parei em coletâneas. http://www.eittanoise.blogspot.com

    Tiago Superoito respondido:
    novembro 26, 2011 às 10:48 am

    Dai, obrigado pelo comment gentil. Devo voltar com os discos sim, mas preciso de um tempinho pra reorganizar o blog. E concordo: o disco do Drake é bacana.

    Carlos, acho que Reveal e Accelerate são bons discos, mas a ideia era selecionar apenas 12 músicas, então muita coisa legal ficou de fora.

    Marta, vi apenas um show do REM, e foi um dos melhores da minha vida.

    Renato, gosto muito do ‘Be mine’. O disco todo (‘New adventures’) é ótimo mesmo.

    Aldemi, pra mim o REM provocou muito impacto até ‘New adventures’.

    Daniel disse:
    novembro 26, 2011 às 4:56 pm

    Bem, como eu disse antes essa é (foi) a mixtape que não era preciso ouvir pra adorar. Claro que muita coisa boa ficou de fora (se eles acabaram de lançar uma coletânea com 40 músicas e até nessa ficou faltando muita coisa…).

    Algumas coisas me chamaram a atenção: vc incluiu 2 músicas cada, do Green e do Monster, que são discos pouco lembrados pelos fãs como os favoritos da carreira do R.E.M. Particularmente o Monster eu adoro, e eu lembro que na época muita gente torceu o nariz.

    Legal vc colocar algumas ótimas músicas pouco lembradas (“Bittersweet Me”, “Sweetness Follows”). E aproveitando o comentário do Carlos Campos: pra vc o disco definitivo deles é o Automatic?

    Tiago Superoito respondido:
    novembro 26, 2011 às 5:44 pm

    ‘Automatic’ é o meu preferido deles, Daniel. Depois ‘Murmur’. Mas acho que nenhum desses resume a banda. Talvez o ‘New adventures’ faça isso melhor: todos os elementos de discos anteriores estão lá. É o que também tenta o ‘Collapse into now’, mas acho que aí o problema é que as músicas são fracas.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s