Dia: julho 26, 2011

Mixtape! | Julho, nas nuvens

Postado em Atualizado em

A mixtape de julho é um arraso: tecnológica, revolucionária, moderníssima, um evento. E por quê? É que, a partir deste momento mágico, vocês podem ouvir as coletâneas mensais do tio Tiago aqui mesmo no blog, clicando no box colorido que fica logo ali, no pé do post. Não é incrível?

Ainda existe, é claro, a boa e velha opção do download (e aí você pode guardar as musiquinhas no laptop, no iPod, etc). Mas a ideia é facilitar a vida dos amigos. Né não?

A novidade deve ajudar principalmente os leitores agoniados que, impedidos de fazer downloads na firma, se descabelam com medo de não conseguir baixar as mixtapes mais bonitas da cidade. Seus problemas acabaram, chapas!

O mais genial dessa história é que a seleção de julho está especialmente inspirada. Talvez seja a mixtape mais reluzente de todos os tempos: uma espécie de flash melodioso, um estrobo sonoro. O climão dançante pode lembrar um pouco a coletânea de junho, também conhecida como a “mixtape mais pop da história deste blog”. Mas existe uma camada de amargura que pode provocar pesadelos e arrepios. Por isso, atenção!

No mais, não vou explicar nada. Decifrem o disquinho por conta própria. Neste incrível algodão-doce envenenado, tem SBTRKT, Junior Boys (que está na foto acima), Foster the People, Cassettes Won’t Listen, Zomby, The Horrors, Yacht, Danger Mouse & Daniele Luppi, Eleanor Friedberger e Sleepmakeswaves. A lista de músicas está na caixa de comentários. Espero que vocês curtam.

E não esqueçam de fazer o download da mixtape-bônus superespecial com algumas das minhas músicas favoritas. Foi gravado com muito amor e carinho (e, de certa forma, soa como um complemento muito explicativo para esta mixtape aqui). 

Faça o download da mixtape de julho (e deixe um comentário simpático depois que ouvir, certo?).

Ou, se preferir, ouça tudo de uma vez aqui:

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Crystalline | Björk

Postado em

Michel Gondry + Björk: não tem erro. Ou tem? Admito que eu esperava um pouco mais deste clipe, o primeiro do álbum Biophilia (que sai em setembro). Mas não dá para não reconhecer que existe uma boa ideia em jogo – a cantora está perdida numa espécie de pista de dança interplanetária, digamos. Escondida num globo turvo, Björk mal aparece. E os efeitos, como de costume, fazem cócegas nos nossos olhos. Mas é daqueles casos em que a música impressiona mais que as imagens.