It’s all true | Junior Boys

Postado em Atualizado em

Por que mantemos relações tão promíscuas com os indefesos, bem intencionados, inocentes discos de música pop. Hem? Por quê?

Ok, ó leitor, vou poupá-lo desta. Refazendo a pergunta: por que eu, o pecador no confessionário, trato a música pop desta forma inconsequente, como se este blogueiro regredisse à condição de um rapazote ansioso, deslumbrado diante das novas meninas da classe?

É um comportamento obsessivo que às vezes me perturba um pouco. Se eu tratasse as pessoas do jeito como trato a música, teria que trocar de amigos a cada semana. Meu trabalho me entediaria nos primeiros 15 dias. Minhas namoradas não durariam dois meses (felizmente, não é o que acontece; e, pelo menos com isso, ninguém precisa ficar encucado).

Já me perguntei mil vezes, e lá vai a milésima primeira: no pop, por que o que é desconhecido, novo, me estimula mais do que os sons familiares, os velhos chapas, os bróderes mui confiáveis? Por que estou investigando bandas que apareceram anteontem quando eu deveria estar testando o disco mais recente do Neil Young? O que elas têm? Por que eu preciso conhecê-las? Por que elas me empolgam?

Não faço ideia, meu irmão. Não mesmo. Só sei que sou um novidadeiro compulsivo e nada pode me parar agora (talvez exista cura se, talvez, que eu me obrigar a ouvir Paul Simon e R.E.M. a cada Cults/Washed Out).

Veja: não é muito agradável ser assim (escrevo este post um pouco envergonhado, acredite), porque corro o risco de perder bons discos simplesmente por me desinteressar nas primeiras audições – mais ou menos como o garoto hiperativo que abre o berreiro quando descobre que já tem o brinquedo que acabou de ganhar no aniversário.

Em muitos casos, eu sei que estou cometendo injustiças terríveis com discos que simplesmente não me animam por soar confortáveis aos meus sentidos. Começo a ouvir o novo do Eddie Vedder e paro na terceira música – já sei o que vem em seguida. O do R.E.M. me parece simpático, mas não vou perder muitas noites com ele.

Ouço com atenção, é claro. Se pretendo escrever algo sobre, sou sério feito um beagle. Tomo distância para notar se ele me agrada ou não. Uso todos os critérios objetivos e sentimentais a que tenho direito, sim. Mas logo me afasto e parto pra outra. Nesse tipo de relacionamento, me porto como um cachorrão.

Mas é uma pena, porque, como eu dizia, há vezes em que deixo passar love stories extraordinárias. Discos que, em alguns casos, acabam me pegando no contrapé, em situações inesperadas. Que coisa louca, né? A menina que já cafajestinho beijou e abandonou volta à classe para, aí sim, o conquistar de vez.

Em frente ao quadro negro, cá está It’s all true, do Junior Boys. Amor à terceira (talvez quinta) vista. Um discaço, mas que me parecia absolutamente ordinário.

A culpa, reconheço, é minha. E aposto que outros resenhistas, que também sofrem desta síndrome do consumo acelerado de cápsulas de MP3, trataram de descartar este pitéu assim que notaram que ele, aff, não soava tão surpreendente assim. Parece, num primeiro encontro, apenas mais um disco do Junior Boys.

Mais que isso: parece um disco que não avança muito se comparado a tudo o que os canadenses gravaram. Zona de conforto, entende o que digo? O anterior, Begone dull care (2009), já deixava certo sinal de estagnação. Nossas lembranças do ótimo So this is goodbye (2006) ficavam mais distantes, borradas na memória feito paixonite de cinco anos atrás.

Minha avaliação, totalmente cruel, era de que Jeremy Greenspan e Matt Didemus perderam o sex appeal. Gravaram um poderoso de um break-up record e depois foram se desintegrando na paisagem da música pop, satisfeitos com a condição de indietronica e synthpop para festas chiques, consultórios de dentistas antenados, elevadores (finos) e lojas de grife.

It’s all true parece dar sequência lógica a esta trajetória (decadente, desinteressante). Mas não quando nos aproximamos dele com mais cuidado. Aí, o disco acaba se revelando tão pungente quanto os melhores da dupla.

Admito que ouvi o álbum pela primeira vez enquanto digitava um texto sobre qualquer coisa. Não me concentrei. Na segunda vez, eu estava devorando frango xadrez. Na terceira, lendo um livro bacana. Na quarta, jogando boliche (ok, mentira). Acontece que só descobri de verdade o safado quando o gravei num CD e comecei a ouvi-lo, em volume alto, enquanto dirigia ao trabalho. Foi ali que o flerte barbarizou.

Acho que porque, no carro, todas aquelas canções já estavam incubadas no meu ouvido, prontas para desabrochar. E, quando a primavera chegou, o que ouvi foi um CD que pede gentilmente para que iniciemos um caso fixo, sério, monogâmico (se bem que aí seria pedir demais). Estaremos juntos na manhã seguinte.

Hoje, gosto tanto do disco que fico um pouco constrangido com meus comentários levianos sobre ele. It’s all true tem apenas nove faixas, mas eu não descartaria nenhuma. Os versos também me parecem viciantes (e sábios). É como se a banda acompanhasse o narrador, agora cético e gélido, de So this is goodbye em aventuras amorosas que quase sempre não dão muito certo. Me pego torcendo por ele.

Se os arranjos eletrônicos sugerem frieza quase metálica, as letras se revelam ora afetuosas, ora bem humoradas. “Me encare por um pouco mais de tempo, como os competidores fazem”, pede o narrador de Playtime (uma das canções mais estranhamente sexies do ano). Em Itchy fingers, o clima é de terror sentimental: “Eu preferiria te soterrar com um papel dobrado, só para ver você morrar”, e o tom impassível da interpretação tem algo de psicótico.

E, na desiludida A truly happy ending, aparece o desabafo que resume este capítulo: “Nunca vi, nunca estive num final feliz verdadeiro. Chego muito perto, mas ele sempre desmorona.” É tudo verdade?

A história de bastidores é um tanto óbvia (e monótona, vá): envolve uma viagem de dois meses à China que “revigorou” Greenspan. Ok, dá um bom material para a imprensa. O importante é que esse entusiasmo recém-adquirido, ainda que não represente rupturas para a banda, comprime o estilo do Junior Boys a um ponto em que sobrevivem apenas os elementos mais característicos de uma sonoridade agora em constante tensão, com sintetizadores que nos espetam sem cessar. Não à toa, as duas faixas do desfecho (ep e os nove intensos minutos de Banana ripple, arquiteturas impressionantes de vidro e aço) são as inesquecíveis: desta vez, não há como relaxar os músculos.

É chato falar em maturidade (discos “maduros” podem soar um tanto aborrecidos, como se não houvesse o que experimentar além de um lento aperfeiçoamento do template), mas o Junior Boys parece ter finalmente entendido o temperamento da banda. E aqui, como em nenhum outro disco que gravaram, eles criam canções que parecem inofensivas e artificiais até o momento em que violentamente cravam os dentes.

Não é tão agradável quanto parece (apesar de dançante, galante, e nunca enfadonho). Pode ser interpretado como uma espécie de So this is goodbye, parte 2. Se bem que, perto desses versos amargos, os daquele álbum parecem até um tanto juvenis. A primeira despedida, eles nos ensinam, é brutal. Mas a segunda… Quem tem a coragem de escrever discos sobre isso?

Na vigésima audição, It’s all true amedronta. Mas vou dar um belo de um desconto se você não chegar até lá, não sentir nada disso, parar na terceira tentativa e partir pra outra. Acontece. Na música pop, sei o que acontecem com os meninos que só pensam em ir atrás de um rabo de saia. E quem sou eu para passar lição de moral?

Quarto disco do Junior Boys. Nove faixas, com produção da própria banda. Lançamento Domino Records. 8/10

Anúncios

13 comentários em “It’s all true | Junior Boys

    Livio Vilela disse:
    julho 6, 2011 às 2:03 am

    hahaha falei que o disco melhorava com o tempo.

    Tiago Superoito respondido:
    julho 6, 2011 às 2:04 am

    It’s true.

    Alê Marucci disse:
    julho 6, 2011 às 2:30 pm

    Que texto ótimo!
    Não conheço Junior Boys, mas já baixei o disco. Vamos ver se será só um flerte ou amor pra toda vida.
    Beijo.

    Tiago Superoito respondido:
    julho 6, 2011 às 2:46 pm

    Você não viu o show deles no Tim Festival, Alê? Foi legalzinho, mas os discos são melhores.

    Adorei o elogio (mas você é suspeita! haha). Só não sei se você vai curtir o disco. Vamos ver o que acontece. ;)

    Yasmin disse:
    julho 6, 2011 às 3:22 pm

    Pra mim bateu um gosto na primeira audição, entendi que era um discão, mas não ouvi mais… agora voltei às atenções de novo. Muitas coisas a serem ouvidas o tempo todo. Sou exatamente como você, nesse sentido. Novidadeira e acabo consumindo rápido demais os discos descartáveis. Mas como é bom voltar àquele disco de 1972 do Neil Young ou do Caetano. Se bem que eu trato discos como esses ou Bowie ou Bambaataa como eternas novidades me esperando no momento certo =) Pro resto da vida.

    Tiago Superoito respondido:
    julho 6, 2011 às 3:44 pm

    Exatamente, Yasmin. É muito bacana quando um disco antigo chega pra roubar nosso tempo, obrigando que os novos façam fila. Mas comigo não acontece com tanta frequência.

    Alê Marucci disse:
    julho 7, 2011 às 4:08 am

    Não vi o show. Foi em qual Tim Festival?

    Guilherme. disse:
    julho 7, 2011 às 5:26 am

    Não dá pra acreditar que o Handsome Furs deixou a Agony de fora do disco oficial:

    http://daydreamntn.tumblr.com/post/7324943329/perfectmidnightworld-agony-by-handsome-furs

    Felipe Reis disse:
    julho 7, 2011 às 7:28 pm

    Minha relação com o disco foi parecida com a sua, um certo desinteresse no começo pela falta de algo a mais pra se prender, e de repente, ouvindo de novo e de novo por puro acaso, deu pra perceber que o disco tem muita substância: as letras são o forte, como sempre com um gosto muito amargo, mas que parece ser o gosto certo pra esse tipo de comida. A produção, bem, não é um So This Is Goodbye, mas garante uma escutada bacana do começo ao fim e umas canções que são ótimos destaques.

    Te entendo perfeitamente quando você assume essa “culpa” por se prender mais ao que pisca mais rápido e as vezes esquecer que certas coisas são boas exatamente por não tentarem reinventar o universo; sofro do mesmo mal hahaha.

    BELA disse:
    julho 8, 2011 às 8:39 pm

    MANO para de xingar Harry Potter.

    Tiago Superoito respondido:
    julho 8, 2011 às 8:56 pm

    Oxi!

    Tiago Superoito respondido:
    julho 8, 2011 às 8:56 pm

    Foi no Tim do National e Kanye West, Alê.

    Alê Marucci disse:
    julho 9, 2011 às 2:49 pm

    Seu feio! Para de falar mal do Harry Potter! :P
    Ah, nesse Tim eu não fui no dia do Kanye West. Junior Boys rolou nesse dia?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s