2 ou 3 parágrafos | A hora do pesadelo

Postado em Atualizado em

Você já notou que, nos filmes de Freddy Krueger, os personagens cochilam nos momentos menos apropriados? Este remake, equivocado em quase tudo, pelo menos recupera o guilty pleasure. A menina está caminhando no corredor do colégio e, ops!, dá uma apagada. O rapazinho, no meio do exercício de natação, tira uma soneca. O fulano está prestes a morder o sanduíche quando, susto!, prega os olhos e é retalhado pelas navalhas do malvadão. Isso é o que eu chamo de fantasia mórbida. E fantasia (com um elemento perverso, sempre) é o ramo de Wes Craven, o pai da besta.

Uma pena, por isso, que este novo A hora do pesadelo (1.5/5) tenha tomado um caminho muito mais ordinário, muito menos fantasioso: trata-se de uma espécie de Freddy begins, com explicações didáticas (e, até certo ponto, sóbrias) para a fúria do vilão. Freddy era um jardineiro outsider que, acusado de assediar crianças, é queimado vivo por pais preocupadíssimos que decidem manter o crime em segredo e… Sonolento, ahn? Eu não dormiria no meio de uma prova de natação, mas admito que cochilei duas ou três vezes durante a projeção. Não é um filme tecnicamente precário (Samuel Bayer, o diretor, usa os truques e filtros que aprendeu em clipes do Garbage e do Nirvana). Não é um filme que tenha me insultado. É apenas um porre de filme.

Eu, que assisti a todas as aventuras de Freddy (até o infame Freddy vs. Jason, que é pelo menos engraçadinho), tenho o direito à conclusão: é o pior da série. De longe. O que mais se leva a sério. O menos malicioso. O unidimensional. O menos imaginativo. O mais polido. O automático. E aquele que vai agradar a quem curte elogiar a “eficiência técnica” cheirosinha do remake de O massacre da serra elétrica. My ass. Esse nunca foi o espírito da coisa. Entre os produtores, é claro, lá está Michael Bay. Quando o mundo acabar de uma forma muito espetacular e monótona, coloquem a culpa nele, ok?

Anúncios

8 comentários em “2 ou 3 parágrafos | A hora do pesadelo

    Pedro Primo disse:
    maio 12, 2010 às 10:02 pm

    Nem me arrisco com esse ai, ainda estou me recuperando de Alice no país das maravilhas…

    Tiago Superoito respondido:
    maio 12, 2010 às 10:59 pm

    Gostou de Alice?

    Pedro Primo disse:
    maio 12, 2010 às 11:21 pm

    Achei regular. É um dos filmes mais “vazios” da filmografia do Burton, mas não cheguei a achar ruim (as cenas de batalha são um tédio).

    Tiago Superoito respondido:
    maio 12, 2010 às 11:48 pm

    As cenas de batalha são terríveis mesmo. Estou querendo ver em 2D, mas ando sem tempo.

    Felipe Queiroz disse:
    maio 13, 2010 às 4:00 am

    Vi em 2D e detestei. Parecia o Super Mario Bros. Come o bolo (de cogumelo) e fica grande, bebe o líquido e fica pequeno, entra num buraco (cano) e chega a outro mundo. No final luta com um dragão e salva a princesa. Game over!

    Tiago Superoito respondido:
    maio 13, 2010 às 10:38 am

    Hahaha, falando assim, fica parecendo Super Mario mesmo.

    Daniel disse:
    maio 13, 2010 às 12:11 pm

    Caidíssimos esses remakes dos filmes de terror “franquia”.

    Os primeiros 2/3 do Halloween do Zombie me deram vontade de rir, sério. O 1/3 final é o (brilhante) filme original do John Carpenter, só que filmado por um incompetente.

    Dizem que o 2 é ainda pior, não perco minha grana nisso nem nos dias de promoção das locadoras.

    Tiago Superoito respondido:
    maio 13, 2010 às 2:30 pm

    Eu nem arrisco esse ‘Halloween’.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s