Congratulations | MGMT

Postado em Atualizado em

Você já foi o primeiro da classe? Eu já. E garanto: não é tão divertido quanto parece.

Foi assim: aos 14, eu era um aluno muito tímido e, por isso, discreto – daqueles meninos invisíveis que fazem o possível para não tirar notas inferiores ou superiores a 7. Sempre 7. Naquela época, minha meta era desaparecer na lista de chamada. Eu vivia para não ser notado: preferia as roupas em tons neutros, podava meu cabelo com máquina 3 e lia revistinhas do Batman. Meus amigos me tratavam como um chapa razoavelmente bacana, já que eu era igual a eles. E as garotas, como que por tradição, me confundiam com as pilastras do colégio. Mais tarde descobri que todos – meninos e meninas, sem exceção – éramos simplesmente desinteressantes. Uns comuns.

Mas, naquela época, eu ainda era um rapazinho muito inocente. Tão ingênuo que, num surto de vaidade e fôlego olímpico, resolvi gabaritar uma prova de português. Não que eu precisasse dos pontos no boletim (eu era um estudante nota 7!), mas, na falta de algo melhor a fazer, resolvi me desafiar. Estudei duas horas por dia e, um touro!, tirei 10. O único 10 da classe. Os meus amigos começaram a me evitar na hora do recreio. Quando tirei meu segundo 10, comecei a receber sorrisos orgulhosos da professora. As garotas passaram a me encarar como uma geladeira vazia. No mês seguinte, milagrosamente, eu era o representante da turma numa maratona de gramática.

Aceitei. Eu mal sabia que, meu amigo!, aquela seria uma das experiências mais desagradáveis da minha vida. Passei três horas trancado numa sala gelada, preenchendo lacunas em textos de revistas semanais e respondendo questões enigmáticas que faziam minha cuca ferver. Saí da sala desencantado, insatisfeito com aquela sina solitária. Para meu alívio, fiquei em último lugar na competição. Salvei minha pele. Após cinco ou seis valentes notas 7, recuperei meu lugar entre os medíocres.

Às vezes acho que estou lá até hoje.

Mas chega de devaneios. Fim do flashback. E o que essas lembranças tão tolinhas têm a ver com o disco novo do MGMT?, você me pergunta. Eu respondo: é que eu entendo o que acontece com o MGMT. Sei muito bem que um hit pode representar uma espécie de condenação.

Meus hits (as notas 10 em português) me colocaram numa desconfortável posição de destaque diante dos meus colegas invejosos (mas muito queridos). Transformaram o Tiaguinho Sem Qualidades num cidadão de primeira classe (e tudo o que eu queria era me espreguiçar nas poltronas econômicas!). Os hits do MGMT fizeram estragos mais profundos: converteram Ben Goldwasser e Andrew VanWyngarden em astros pop. Lá no topo da classe. Gabaritaram o teste das rádios. Hoje sabemos que não era bem esse o objetivo deles.

Mas não é mesmo extraordinário ser um astro pop? Fama, moçoilas afoitas, programas bizarríssimos de auditório, clipes com CGI, trilha sonora de comédia retardada, contratos extravagantes, mansões em Miami Beach, champanhe e cerejas. Quem não quer? Mas e se você nunca tivesse desejado sinceramente nada disso?

Não conheço Ben e Andrew (e eles me parecem uns sujeitos bem convencidos), mas a história de Congratulations é essa aí: depois de acertar com três hits grandahões (Time to pretend, Kids e Electric feel), eles resolveram se dedicar ao que importa (a eles): reatar com os antigos amigos da turma do indie rock. Para os fãs, pode parecer uma reviravolta frustrante: aquela bandinha tão simpática, que se deleitava com o algodão-doce radiofônico, decidiu gravar um disco sem singles, sem gosto de milkshake de Ovomaltine, uma trava-língua psicodélico sem um único candidato a chacoalhar o assoalho e sangrar a pista de dança.

Sim, é um mistério. A Sony que se cuide. Enfezado, o MGMT penaliza os fãs que se deixaram enfeitiçar pelos três hits (e só por eles). Aposto que são muitos. Se você ignorar essas três faixas, o disco anterior deles (Oracular spectacular, de 2007, superestimado toda vida) soará até parecido com este novo: uma homenagem singela, mas carinhosa, ao rebanho sagrado do rock lisérgico, de Love a David Bowie, de Roxy Music a Syd Barrett.

Congratulations é a continuação desse álbum “paralelo”, adquirido por um milhão de pessoas, mas incompreendido por quase todas elas. Nos shows, sempre muito confusos, a dupla sofreu com comentários de que só os hits faziam a diferença (sorte a nossa: eram três!). Daí o salto corajoso: Ben e Andrew podiam simplesmente bolar mais um LP irregular porém acessível (e ninguém reclamaria disso: álbuns são tão démodé!). Mas preferiram gravar um disco que finalmente honra as influências setentistas do grupo – um disquinho coeso e esperto que quase mereceria ser chamado de “conceitual”.

Nada de efeitos rasteiros, portanto. Preocupado em criar uma obra respeitável (taí uma ambição saudável e difícil), o MGMT compôs um disco menos para os fãs e mais para os ídolos. Repare que duas músicas são homenagens: uma a Dan Treacy, da inglesa Television Personalities, e outra a Brian Eno (o Eno sapeca do Roxy Music, e não aquele que zanza por aí produzindo o Coldplay). As outras, ainda que não explicitamente, são declarações de amor: a de abertura, It’s working, é o mais próximo que eles chegaram de sintonizar as vibrações de Arthur Lee. E Siberian breaks, com 12 minutos, se desdobra infinitamente num épico esquizo com um quê de Frank Zappa. Parece até a trilha para o funeral da new rave.

Escalar esse arranha-céu sem o escudo dos hits é o desafio imposto pela banda. Com versos sobre a ressaca do sucesso, Congratulations até pode ser considerado a estreia deles no mundo dos álbuns. Como se, no encarte, eles reconhecessem que tomaram o caminho equivocado e, por isso, merecem uma segunda chance. Acontece que, nessa versão mais vulnerável, o MGMT revela fragilidades que já existiam no disco anterior: acima de tudo, a forma superficial como eles tratam referências que, nas mãos de um Beta Band (ou até de um The Coral), rendem experiências menos genéricas.

O importante é que Congratulations promete ao MGMT alguma longevidade. A partir de agora, podemos levá-los um pouco a sério. Talvez, no fim das contas, Ben e Andrew tenham mais admiração pelo Flaming Lips do que pelo Empire of the Sun. Não estão apressados para chegar ao fim desse arco-íris fluorescente. E, enquanto batem perna, estão dispostos a deixar pelo caminho álbuns sinceros, imperfeitos, álbuns quase à moda antiga, como este aqui. Um típico (e valente) nota 7.

Segundo disco do MGMT. Nove faixas, com produção de Pete Kember e do MGMT. Lançamento Sony/Columbia. 7/10

PS: Para quem acompanha este blog (vocês são poucos, mas são vips), informo que vou postar a mixtape de março às 21h de quarta-feira. Estão avisados: não quero ninguém reclamando quando os arquivos evaporarem, ok?

Anúncios

10 comentários em “Congratulations | MGMT

    jv disse:
    março 30, 2010 às 1:17 pm

    hahah que texto sensacional (mas errr um pouco longo…)

    Tiago Superoito respondido:
    março 30, 2010 às 1:30 pm

    Não tem jeito, cara. Meus textos são longos, sou prolíxo pra burro, péssimo com Twitter, odeio SMS. Minha sina é essa. Sei que a leitura do meu blog é tortuosa, mas não vejo outra forma, infelizmente.

    felipequeirozz disse:
    março 30, 2010 às 1:35 pm

    Não ouvi nada do novo disco ainda, mas confio em sua opinião. No meu circulo de amizade eu fui o único que acreditei no MGMT, todos também acharam superestimado, que a dupla não renderia mais nada. Como você bem disse o primeiro álbum não era feito só de hits (apesar dos hits serem bons) e já imaginava que a banda seguiria esse caminho.

    Acredito que não seja a salvação e o destaque de nada, mas não é uma dupla de sorte e sem talento. Bom, tenho que ouvir ainda…

    Ótimo texto.

    Tiago Superoito respondido:
    março 30, 2010 às 1:40 pm

    Eu estava entre os que falavam mal da banda, Felipe. Fui ao show e não gostei. Mas agora eles me convenceram do contrário.

    Pedro Primo disse:
    março 30, 2010 às 3:18 pm

    Ótimo texto Tiago, também fui durante um tempo aluno de 7. E eu também era daqueles que passaram longe do primeiro disco deles, achava cafona demais pra mim. Apesar de eu ter suportado meus amigo ouvindo Eletric Feel e Kids durante um ano, sem dar um piu.

    Gostei bastante desse, influências interessantes, algumas músicas que os fãs do anterior não entenderam (um amigo meu veio perguntar se eu tinha achado Brian Eno horrível, eu quase ri). Um dos que eu mais gostei no ano até aqui.

    Tiago Superoito respondido:
    março 30, 2010 às 6:06 pm

    Não gosto tanto assim, mas é um avanço em relação ao primeiro disco.

    Daniel Dalpizzolo disse:
    março 30, 2010 às 8:28 pm

    Po, primeiro disco é legal.

    Roh disse:
    março 31, 2010 às 4:59 pm

    achei congratulations muito melhor que o primeiro cd! questão de gosto pessoal mesmo…as duas primeiras faixas (It’s Working e Song For Dan Treacy) e ‘Brian Eno’ são mó legais :)

    igorfrederico disse:
    abril 3, 2010 às 3:49 am

    o primeiro é fraco, o Oracular é muito bom, mas bagunçado e o congratulations é o mais bem produzido e composto…mas nem por isso o melhor…=(

    Tiago Superoito respondido:
    abril 3, 2010 às 12:11 pm

    Igor, acho que nem eles consideram ‘Climbing to new lows’ um ÁLBUM. Era uma demo que vazou na internet.

    Mas eu não desgosto de ‘Oracular’. Só acho superestimado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s