2 ou 3 parágrafos | Che 2: a guerrilha

Postado em Atualizado em

cheg

É o terceiro Soderbergh que vejo este ano e estou quase desistindo do próximo. Encheu meu saquinho.

Entendo esse cinema, sei onde ele quer chegar, mas descobri que nunca vou conseguir admirá-lo. E não adianta ficar tentando. É que o cineasta olha o mundo de uma distância tão segura, tão confortável, que é como se usasse luvas de plástico para lidar com os personagens e os assuntos dos próprios filmes. Aposto que se envolve com eles (caso contrário, não teria se metido no mato para filmar este Che, e aposto que foi uma experiência difícil e dolorida), mas não deixa que esse encontro apareça na tela. E, se o diretor parece não se importar profundamente com nada do que vê, por que eu deveria me importar?

E Che 2 (4.5/10), talvez o auge desse cinema sem sangue, merece um só parágrafo: juntando as duas partes, é impressionante como Soderbergh, em quatro horas!, não se arrisca a interpretar o personagem que dá nome ao filme. Che não tem direito a uma dimensão psicológica — é uma estampa de camiseta ambulante. Começa o filme como um herói íntegro e idealista — e termina exatamente do mesmo jeito. Pior: termina como uma espécie de Jesus Cristo latino, barbudo e sábio. Aposto que o filme segue à risca o relato dos fatos, o diário de Che, os livros de história etc: mas esse tipo de fidelidade não é o que mais me interessa no cinema. Na verdade, me interessa muito pouco. Quando revestida com esse tipo de frieza supostamente jornalística, apenas me entedia. Soderbergh: eu passo.

Anúncios

2 comentários em “2 ou 3 parágrafos | Che 2: a guerrilha

    daniel pilon disse:
    setembro 24, 2009 às 5:29 pm

    Como é Soderbergh o responsável pela bagaça, acho até melhor não se meter a fazer estudo psicológico. As coisas poderiam ter sido ainda piores. Também achei um porre.

    Tiago Superoito respondido:
    setembro 24, 2009 às 5:32 pm

    O que acho é que ele ficou com um imenso cagaço de interpretar o Che e provocar polêmica. Daí filmou uma estátua se deslocando no mato. Um dos filmes mais entediantes que vi este ano.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s