2 ou 3 parágrafos | O equilibrista

Postado em

wire

Neste O equilibrista (7.5/10), James Marsh conta como o francês Philippe Petit, equilibrado sobre um cabo de aço, cruzou o espaço que separava o topo das duas torres do World Trade Center, em Nova York, no dia 7 de agosto de 1974. Com clareza, o filme responde quase todas as perguntas básicas sobre esse fato: o que, quem, como, quando e onde. Mas, horas depois da projeção, nos deixa remoendo a questão que falta: por quê?

Por que Petit invadiu as Torres Gêmeas como quem assalta um banco? Por que fantasiava, desde jovem, com o desafio de apropriar-se daquele prédio? Quais as motivações daquele homem? Onde termina a busca por beleza e começa a loucura? Obsessão não se explica, mas qual seria o propósito de uma arte tão arriscada?

Perto do fim do filme, Petit ameaça uma resposta. Fala em rebeldia, em quebrar regras e lembra que, desde pequeno, gosta de “escalar coisas”. Não me convence. O diretor mostra o personagem da forma como ele quer ser visto. Não é intrusivo. As primeiras cenas são narradas como que num thriller de golpe. Mais adiante, descobrimos que, um dia antes de flutuar sobre Manhattan, o equilibrista passou a madrugada assistindo a fitas do gênero. As encenações à cinema mudo e a trilha sonora apoteótica tentam traduzir uma sensação de sublime que talvez guarde alguma relação com a filosofia de vida de Petit. De qualquer forma, é impossível saber. Por que ele faz o que faz? Acredito que o mistério, esse mistério, empresta uma terceira dimensão a um documentário que, caso contrário, seria apenas um perfil elegantemente correto. Ainda estou intrigado.

Anúncios

3 comentários em “2 ou 3 parágrafos | O equilibrista

    Alê Marucci disse:
    maio 5, 2009 às 11:57 pm

    Mais do que o filme, o feito de Petit realmente me impressionou. Ainda não me conformo com o fato de ele ter conseguido o que ainda me parece impossível.
    Se você ainda está intrigado, eu ainda estou impressionada.

    cavalca disse:
    maio 6, 2009 às 12:49 am

    Só pra avisar que c vai apanhar.

    Eu gostei bastante, mas tb não mudou a minha vida. Desse subgênero de ‘conquistas improváveis’ de docs, sou mais The King of Kong.

    Tiago respondido:
    maio 6, 2009 às 2:08 pm

    Apanhar?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s