Che

Postado em Atualizado em

cheone

Che: part one, 2008. De Steven Soderbergh. Com Benicio del Toro, Demián Bichir, Santiago Cabrera, Rodrigo Santoro e Catalina Sandino Moreno. 129min. 6/10

Cheguei ao desfecho de Che com a impressão de ter visto uma reconsituição técnica (e nada mais) para uma tema cujo lado subjetivo, emotivo, foi subestimado. É um filme sobre como Che Guevara contribuiu para a Revolução Cubana. E não sobre quem é o homem, ou o guerrilheiro, ou o mito, ou o pop star. Ou a estampa da camiseta.

Eu esperava um pouco por isso, acostumado que estou ao cinema de Steven Soderbergh. Filmes como como Onze homens e um segredo e de Traffic já demonstravam esse fascínio do diretor por reconstituir, etapa por etapa, friamente, mecanicamente, o funcionamento das coisas. Um golpe no cassino, o mercado das drogas (ou do petróleo, em Syriana, que produziu), os procedimentos de uma guerrilha, a forma como a mulher comum confrontou o “sistema”. Ele transforma tudo num esquema, numa maquete, num organograma.

É o cinema-infográfico. 

E daí? Reconheço o esforço de Soderbergh. Ele me parece um cineasta comprometido com um olhar. Che é, para o que propõe, competente. Digno (e não apenas pelos diálogos em espanhol). Um filme de ação, no sentido puro do termo. Que admiro (pela ambição, talvez), ainda que de uma forma estritamente racional. 

O Che de Benicio del Toro diz muito sobre o nosso tempo. É um idealista politicamente incorreto. Entendo o conceito. Até concordo com ele (e é corajosa a forma supostamente ‘jornalística’ como Soderbergh tenta vender o herói anti-imperialista para um público norte-americano esperançoso com a vitória do Obama). Mas está metido num cinema que parece observar seres humanos como pequenas peças de uma engrenagem (política, social, sabe-se lá). Não seria um paradoxo?

É uma forma de olhar o mundo.  Me rendo. Se eu me afastar consideravelmente do que sinto pelo filme, encontrarei muitas qualidades. A forma como Benicio del Toro se deixa perder no personagem (e reparem como não há nenhum momento-Oscar, o ator está integrado ao elenco e ao ambiente). O detalhismo obsessivo da reconstituição de época nas cenas em preto-e-branco (um documentário fake). A secura das cenas de violência, que tentam escapar a todo custo da banalização das situações (este não é um filme de Hollywood, grita o diretor, é um documento histórico).

Bem. Eu não acredito que pessoas entrem em blogs banais feito o meu em busca de bulas de remédio. Por isso, desculpem-me o tom impressionista da coisa: apesar de cumprir perfeitamente uma série de requisitos formais (que às vezes não dão em nada, há!), o Che de Soderbergh está longe, muito longe de chegar à alma do personagem. É, no máximo, pele e suor.

(Aí você argumenta, com toda a razão: talvez o filme não queira chegar à alma do personagem)

O que me desconcerta (para o bem) é como Soderbergh me parece bastante honesto na defesa dessa aparência de precisão. O cinema da exposição de fatos, digamos. Guevara é descrito como um líder virulento, violento, cruel (já que tortura os “traidores”), sedutor e íntegro. O formato da narrativa beneficia a composição de um personagem contraditório. O filme encara este Che-simbólico sem tomar partido. Não interessa julgar o personagem, mas tentar compreender um método, um pensamento.

Dividido entre o corpo de Che e suas ideias, o filme parte-se em dois: as cenas coloridas acompanham o movimento do personagem; os flashes em preto-e-branco parecem listar frases de efeito associadas ao guerrilheiro. “Um verdadeiro revolucionário deve estar onde precisam dele”, “no capitalismo, vivemos numa jaula invisível”, “a qualidade mais importante de um revolucionário é o amor: à humanidade, à justiça e à verdade”, etc.

É um formato que combina com a mania de organização (de imagens, signos) típica de Soderbergh (em Traffic, a trama latina era filmada num amarelo estourado, enquanto a norte-americana vinha por um filtro azulado meio friorento). Mas essa mesma organização excessiva penaliza os personagens (que parecem fantoches; tente descrever em duas linhas algum coadjuvante) e as situações (tudo arrumadinho, clean demais).

Um aluno aplicado, mas mal tenho curiosidade de assistir à segunda parte (dizem que é uma espécie de A paixão de Che, tomara que não).

Então vá ver Che, é um bom filme; mas não me convide para repetir a dose. Ontem estava admirando a estante da sala e percebi que nunca comprei um DVD do cineasta, unzinho sequer. Agora finalmente entendo o porquê.

Anúncios

11 comentários em “Che

    Diego Maia disse:
    março 30, 2009 às 9:46 pm

    “este não é um filme de Hollywood, grita o diretor, é um documento histórico”

    Então. BORING. Prefiro o Che emo do Walter Salles.

    E Guerrilha é “A Paixão de Che”, sim, mas com esse mesmo filtro de auto-importância mala.

    Tiago Superoito respondido:
    março 31, 2009 às 1:41 am

    Cara, acho que não prefiro nenhum dos dois, haha.

    O Che do Walter Salles tem aquela sequência constrangedora do barquinho, né? Então. Perde pontos.

    Halal disse:
    março 31, 2009 às 3:05 am

    tenho só o Out of Sight, e me dou por satisfeito.

    Tiago Superoito respondido:
    março 31, 2009 às 10:07 am

    Ah, sim, tinha até me esquecido desse filme. É legalzinho.

    Daniel Pilon disse:
    março 31, 2009 às 11:29 am

    Eu até preferi o Soderbergh ter sido raso quanto a um estudo da persona de Che, mas o filme é cansativo e bem redondinho, ou seja, não incomoda, mas também não é inesquecível. E também acho que o filme do Salles tem seus problemas, porque é o completo oposto deste.

    E eu compraria Sexo, Mentiras e Videotape se encontrasse custando 12,90 na Americanas.

    Tiago Superoito respondido:
    março 31, 2009 às 12:22 pm

    Eu preferiria um estudo da persona dele. Mas ok, seria outro filme. Vamos esperar que a poeira baixe e um outro cineasta se interesse pelo tema.

    Michel Simões disse:
    março 31, 2009 às 4:18 pm

    Bem feitinho e sem emoção, e o segundo é ainda inferior

    Chico disse:
    março 31, 2009 às 5:17 pm

    Concordo. É bom, vale a pena ver, mas uma vez só. E o o melhor filme do Soderbergh é “Irresistível Paixão”. Esse vale a pena comprar, baixar, segurar o do amigo…

    Tiago Superoito respondido:
    março 31, 2009 às 5:23 pm

    “Segurar o do amigo”?

    Ed disse:
    março 31, 2009 às 6:05 pm

    Eu jogaria fora do DVD de Sexo, Mentiras e Videotape se ganhasse de presente hehe

    Chico disse:
    março 31, 2009 às 11:46 pm

    Seguram tanto os meus. Acho que vou começar a devolver na mesma moeda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s