Grammy Awards

Postado em Atualizado em

grammy

Eu interpretei como uma espécie de solução de emergência. A Recording Academy estava dividida entre os dois álbuns mais bem-sucedidos (comercialmente) de 2008: o do Lil Wayne e o do Coldplay. Não são discos ousados, inventivos, revolucionários nem nada (mesmo que o Coldplay pense o contrário), mas, para os padrões conservadores do prêmio, sempre parece mais razoável tirar um veterano da cartola e consagrá-lo pela enésima vez.

Alguém mais lembra que a versão unplugged de Layla, do Eric Clapton, desbancou Smells like teen spirit como melhor canção do ano? Raising sand, o disco do Robert Plant com Alison Krauss, me parece correto (apesar das pouquíssimas audições e do imediato desinteresse pelo projeto). Mas convenhamos: o encontro de um símbolo do rock e de uma musa do bluegrass soa mais palatável para o Grammy que um álbum solo de Plant, por exemplo.

Para mostrar que não vive do passado, o Grammy colocou o disco-amostra-grátis do Radiohead na briga. Não colou (cadê TV on the Radio, heim?). O que se nota (e isso vale para a premiação como um todo) é um descompasso cada vez maior entre o grande prêmio da indústria fonográfica e uma (não tão) nova dinâmica da música pop, que deixou de precisar do aval das grandes gravadoras para se segurar de pé. Não sei se vocês perceberam, mas os independentes praticamente foram excluídos da festa (o disco do Plant é da Rounder Records, mas é quase todo de regravações e tem o selo do T. Bone Burnett).

Quer o exemplo mais gritante? Na concorrência por melhor álbum alternativo (e são mais de 100 categorias!), Radiohead era o único verdadeiramente indie: disputava com bandas como Raconteurs e Gnarls Barkley, ambos da Warner. Nem se viu sombra de Vampire Weekend. E No Age disputou o prêmio de melhor embalagem de CD. Perdeu para o Metallica, aliás.

Daí que fica aquela coisa: o pop rock segue em frente (de um jeito muito diferente), enquanto a indústria continua olhando para trás. Não vai terminar bem.

Pelo menos tem gente encontrando brechas nesse sistema antiquado. O que nos leva aos dois melhores momentos da noite. O primeiro, de longe, foi o surto do Radiohead, que apresentou 15 step com uma banda daquelas de parada militar. Intenso.

Antes disso, uma M.I.A. que naquela hora provavelmente já havia rompido a bolsa d’água, encontra os manos do hip hop (Kanye West, Jay-Z, T.I. e Lil Wayne) num número musical que, apesar de todo planejadinho, acabou soando espontâneo como poucos.

No mais, Gilberto Gil perdeu (com justiça – por aqui, o álbum do ex-ministro bateu e voltou), Adele foi eleita a revelação do ano e até o Coldplay, com visual mendigo-chic, ficou surpreso com o prêmio de melhor álbum de rock. Sabe aquela cena de Titanic em que a banda toca enquanto o navio afunda? Eis o Grammy 2009.

Anúncios

4 comentários em “Grammy Awards

    Filipe Torres disse:
    fevereiro 9, 2009 às 7:14 pm

    Os gramofones ainda são distribuídos aos paquidermes, a festa continua sendo dos abastados e “certinhos”, mas uma coisa é engraçada. Os ingleses fizeram a festa, então nem os críticos norte-americanos andam curtindo muito o que anda sendo feito pelas majors de lá.

    E eu achei de um sarcasmo finíssimo chamarem a mulher do Chris Martin pra apresentar o Radiohead.

    Tiago Superoito respondido:
    fevereiro 9, 2009 às 7:25 pm

    Sim, verdade isso. Os ingleses dominaram.

    E a apresentação da Patrow é impressionante mesmo. Acho que o Chris Martin ficou com uma pontinha de ciúme.

    rckrodregfus disse:
    fevereiro 10, 2009 às 9:10 pm

    Eu, como músico, me indigno com o Grammy. Exatamente pelos pontos que você citou. Me soa atualmente como um “video-show” das majors, querendo desesperadamente mostrar que o mercado fonográfico continua forte (o que é mentira) e se sustenta por conta dessas gravadoras (o que também é mentira).

    Por essas e outras eu prefiro ouvir um som legal (e, na grande maioria das vezes, independente) a parar duas horas e meia de minha vida pra assistir um prêmio que não premia mais nada a não ser si próprio. Aliás, duas horas e meia é tempo suficiente pra ouvir pelo menos uns três discos muito bons!

    PS totalmente fora do assunto: Veja meus blogs depois! vitrolaudigrudi.wordpress.com e jennifermagnetica.wordpress.com

    Tiago Superoito respondido:
    fevereiro 10, 2009 às 9:37 pm

    Exato, também prefiro. Vou dar uma olhada nos blogs.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s