Quem quer ser um milionário?

Postado em Atualizado em

slumdog

Slumdog millionaire, 2008. De Danny Boyle. Com Dev Patel, Freida Pinto e Anil Kapoor. 120min. 6/10

As resenhas sobre Quem quer ser um milionário? me vendem um filme que não encontro na tela. Quando passo o olho no Metacritic, tenho a impressão de ter entrado na sala errada. “É a primeira obra-prima globalizada do mundo”, escreveram no Wall Street Journal. Imagino os termos que eles usaram para analisar a crise econômica.

Eu não deveria estar morrendo de saudades do hype em torno de Pequena Miss Sunshine. Mas é quase o que sinto. Vamos lá, gente: o filmezinho de Danny Boyle, se não chega a passar batido feito novela de Glória Perez, não é isso tudo. E não precisamos esperar a ressaca do Oscar para constatar que a suposta homenagem do diretor de Trainspotting às superproduções de Bollywood não passa de um game show bem-intencionado, editado por um discípulo de Daniel Rezende.

As comparações com Cidade de Deus são e serão todas inevitáveis e óbvias (e, de fato, há dois ou três planos que justificam um processo por direitos autorais). Mas nem acredito que Boyle tenha embarcado para Mumbai com a intenção de compor um tratado sociológico sobre a Índia contemporânea. Trata-se de um olhar assumidamente estrangeiro e superficial para uma realidade que, quando muito, é tratada como pano de fundo para uma fábula.

A menos que, como grande parte da crítica norte-americana, você também compre o filme como um retrato mais ou menos complexo das favelas indianas (e depois não vá reclamar com os espectadores indianos que fizeram campanha contra Boyle).

Na verdade, é uma pena que o longa tenha se transformado em coqueluche de cerimônias de premiação. Cada prêmio grave e imponente (melhor diretor segundo o sindicato de cineastas de Hollywood, para ficarmos no exemplo mais revoltante) cai com o peso de um tijolo sobre os ombros de uma produção que está entre as mais modestas da filmografia de Boyle (Extermínio, por exemplo, me parece mais vibrante).

O roteiro de Simon Beaufoy, adaptação do romance de Vikas Swarup, é uma camisa de força a que Boyle se adapta confortavelmente. A trama, sobre um menino pobre que se transforma em fenômeno do Show do milhão indiano (provavelmente por determinação do destino, quase todas as perguntas revelam alguma relação com fatos que ele já viveu), é esquemática o suficiente para garantir um clima quase insuportável de suspense no clímax (mas que filme sobre game shows não provocaria? E que game show não provoca?). O mesmo vale para a ideia de sacar um flashback a cada nova pergunta disparada pelo programa de tevê – um recurso cujo efeito se esgota nos 15 primeiros minutos de filme.

A costura de gêneros (love story, thriller, filme de competição esportiva e, finalmente, musical) é tão aparente que sugere uma referência apressada a dois ou três sucessos de Bollywood. A inspiração popular nunca é assumida por completo, escancarada e apaixonadamente. Ao contrário dos arrasa-quarteirões indianos, este longa não tem nenhum momento que fuja das normas de “bom gosto” de uma típica produção ocidental de entretenimento. O grotesco, o insólito (e aí imagino uma ode de Tarantino a Bollywood, como seria mais interessante!) são limados do produto final.

A Índia, e o cinema da Índia, são tomados por Boyle como um papel de parede colorido e exótico – e talvez por isso eu tenha me lembrado tanto de A praia durante a projeção. Mas, e taí uma explicação para o sucesso do filme, desta vez o diretor adota um olhar mais afetuoso, como quem trata a viagem como um aprendizado e se diverte com a experiência da filmagem (não à toa, a indiana Loveleen Tandan, responsável pela seleção do elenco, foi promovida a codiretora durante o processo).

Agora entendo por que, toda vez que a equipe do filme ganha um prêmio, ela se surpreende descontroladamente, como se aquela fosse a consagração mais extravagante do planeta. É sim. Mas isso é Hollywood.

Anúncios

7 comentários em “Quem quer ser um milionário?

    Diego disse:
    fevereiro 5, 2009 às 3:20 am

    Falou tudo. Se é homenagem a Bollywood, é simplória. Se é um painel da vida nas favelas indianas, é superficial.

    Se é o melhor filme do ano, meu nome é Rubens Ewald Filho.

    Tiago Superoito respondido:
    fevereiro 5, 2009 às 10:44 am

    O choque fica ainda maior depois que você assiste a um punhado de filmes indianos, tenha certeza disso…

    Arruda disse:
    fevereiro 5, 2009 às 9:05 pm

    Loveleen Tandan é uma mulher, não? Ao menos é o que consta aqui:
    http://sound–vision.blogspot.com/2009/01/slumdog-millionaire-ele-e-ela.html

    Para não ficar só no reparo, gosto muito de seus textos!

    Tiago Superoito respondido:
    fevereiro 5, 2009 às 9:16 pm

    Ops, foi mal. Tá corrigido, obrigado!

    Michel Simões disse:
    fevereiro 6, 2009 às 4:35 pm

    Eu gostei do filme, não que seja essa maravilha toda. O momento de climax é o pior do filme, me lembra David Gale, eca

    Tiago Superoito respondido:
    fevereiro 6, 2009 às 5:21 pm

    Pois é, o clímax é um negócio meio complicado mesmo.

    Filipe Furtado disse:
    fevereiro 6, 2009 às 7:13 pm

    O climax é constragedor.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s