I think we’re gonna need a bigger boat | The BPA

Postado em Atualizado em

bpaNorman Cook tem 45 anos de idade. Devia ter aprendido que, no pop, existe um preço a ser pago por piada repetida.

De qualquer forma, os corajosos são recompensados, não são? E Cook é um desses que dão a cara a tapa, vão para a galera, gravam DVD no Brasil, usam pseudônimos como Pizzaman e, quando as coisas não dão certo, retornam do zero, mui modestamente. Quer dizer: isso se contarmos The Brighton Port Authority (ou The BPA) como uma tentativa de reinvenção do funk-soul-brotha.

(No fundo, é piada repetida mesmo).

Descobri há uns três minutos e meio que, para esquentar o trio elétrico, Cook criou uma historinha fictícia como embalagem para o BPA. É mais ou menos assim: autoridades de Brighton encontraram num galpão abandonado uma coleção de antigas fitas-cassete que cairiam no esquecimento se o-seu-o-nosso Fatboy Slim não tivesse recuperado as “preciosidades” em um CD chamado I think we’re gonna need a bigger boat.

Ok, divertidinho, mas me explica um negócio: por que alguém iria se interessar terrivelmente por uma demo de Pete York? E quem é Connan Hosford mesmo?

Está na cara que The BPA é um pseudônimo para Fatboy Slim (o que não deixa de ser engraçado, caso para terapia, múltiplas personalidades e tal). Não é a primeira vez que Cook convida gente conhecida para dar molho ao pop eletrônico que ele cozinha desde meados dos anos 90. Substitua Macy Gray por Martha Wainwright e você tem Spade, por exemplo.

Mas algo mudou. Algo. Pequeno. Mas algo. A diferença é que, talvez entusiasmado com a possibilidade de um retorno triunfal às paradas de sucesso (ou desconfiado que o público estaria cansado do nome Fatboy Slim, e não da música em si – santa inocência), Cook compôs o álbum escancaradamente pop, sem culpa e sem-noção, que poderia muito bem ter dado sequência a You’ve come a long way, baby (1998).

É um bom disco, principalmente para quem sempre ouviu os álbuns do Fatboy Slim pulando as partes aborrecidas (isto é: as jams de big beats, em que ele tentava, sem sucesso, concorrer com o Chemical Brothers). Imaginem aí um álbum inteirinho de canções na linha de Praise you.

The BPA é isto: um refrão repetido num loop infinito de satisfação instantânea, com efeitos engraçadinhos e um punhado de referências de rock setentista (o disco abre com Iggy Pop e quase fecha com David Byrne, com uma ou duas baladinhas soul no meio).

A escolha de Byrne para o single de apresentação, Toe jam, entra na lista de ideias picaretas e oportunas de Cook: numa época em que 9 entre 10 bandas são influenciadas por Talking Heads, incluir o próprio Byrne num mix pode soar como uma grande obviedade. Mas é essa a porta de entrada para o disco: Cook, o rei das obviedades. 

Ele merece outra chance (e a música com Pete York nem é tão desagradável assim). E vai ter videoclipe dirigido pelo Spike Jonze, vai?

Primeiro álbum do Brighton Port Authority. 12 faixas, com produção de Norman Cook. Southern Fried. 6/10

Anúncios

2 comentários em “I think we’re gonna need a bigger boat | The BPA

    Mat disse:
    fevereiro 3, 2009 às 4:28 pm

    Não seria Brighton Port Authority? ;)

    Tiago Superoito respondido:
    fevereiro 3, 2009 às 4:36 pm

    Ops, valeu pelo toque, hehe.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s