The crying light | Antony and the Johnsons

Postado em Atualizado em

antonyjohnsonsNa capa da revista italiana Rumore, Antony Hegarty é “a voz que vem de outro planeta”. Fico me perguntando: ainda?

Quatro anos depois do fenômeno I am a bird now (e lá se vão nove anos desde o disco de estreia), o cantor continua a se alimentar de uma atmosfera de estranheza e de ambiguidade. Sempre foi difícil identificar onde terminava o homem e começava o personagem (se bem que, no caso, fica a impressão de que eles se misturam, se contaminam). The crying light tenta prolongar o mistério por mais um ato.

Confesso que, para mim, este álbum solene e seguro (digo: seguro dentro dos modelos testados no disco anterior) não deixa de soar um tanto frustrante. No EP Another world, lançado no final do ano passado, Antony saía do cercadinho para experimentar em outras freguesias (Shake that devil, a melhor do compacto, parecia até coescrita por Tom Waits). The crying light abandona os riscos em prol de um formato mais uniforme, demarcado por piano, orquestra (conduzida por Nico Muhly) e pela voz de Antony, novamente em primeiríssimo plano.

Lembra muito a estrutura de um lançamento bem recente que Antony admite admirar: To survive, de Joan as Police Woman. Existe uma espécie de beleza serena nas dez novas canções – e todas elas indicam uma fase mais contemplativa do compositor, agora às voltas com versos sobre “paisagens naturais e emocionais” (impossível não retornar às “emotional landscapes” de Björk) e cada vez menos masoquista (ainda que faixas como Another world e Her eyes are underneath the ground sejam de cortar pulsos).

Mas, se existe um tipo de evolução no álbum, ela não nega nenhuma das antigas obsessões do músico. O medo da morte e da velhice, o mistério da criação artística, o sentimento de resistência, o amor aos outsiders: tudo está representado logo na foto da capa, do dançarino japonês Kazuo Ohno, de 102 anos de idade. Nos versos, afloram o romantismo extremado, o êxtase diante da natureza, o amor supremo, o sagrado (e Aeon, a mais impressionante do disco, é soul music para um mundo pós-In rainbows). Está tudo lá.

Ou seja: é um álbum com uma premissa nobre, interpretado com a convicção e a entrega que esperamos de Antony, mas também quase frio, sob controle. De qualquer forma, não deixa de ser interessante notar as diferenças entre a trajetória de Hegarty e do amigo Rufus Wainwright. Enquanto o segundo se mostrou cada vez mais extrovertido, o primeiro optou pela introspecção, por esculpir lentamente a própria obra.

Esse artesanato não perdeu o impacto. A música do Antony and the Johnsons ainda parece produzida dentro de uma caverna perdida num outro universo (ainda!) – e a personalidade que falta a gente como Andrew Bird e até à própria Joan as Police Woman, Antony tem de sobra. Acontece que nos acostumamos com essa força sobrenatural. E The crying light, apesar de magnético, sofre com o peso de tanta familiaridade. 

Terceiro álbum do Antony and the Johnsons. 10 faixas. Lançamento Secretly Canadian. 7/10

‘Another world’ – Antony and the Johnsons

Anúncios

2 comentários em “The crying light | Antony and the Johnsons

    Daniel Pilon disse:
    janeiro 7, 2009 às 5:17 pm

    Aeon também é minha preferida. No mais, gostei do álbum. Me atrai toda essa estranheza que resulta em faixas com título Epilepsy is Dancing.

    Tiago respondido:
    janeiro 7, 2009 às 5:33 pm

    Mas, nesse caso, o título é melhor que a música.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s