‘This is a fix’ The Automatic

Postado em Atualizado em

“O salvador do rock virá do lugar mais estranho”, profetizou o crítico da New Musical Express. Sobre quem ele está falando, hem, hem? Vampire Weekend? Cansei de Ser Sexy? Móveis Coloniais de Acaju? Antes fosse. É assim que a imprensa britânica está preparando terreno para – tremei! – o lançamento do segundo álbum do Automatic.

The Automatic quem? Se você não conhece, não precisa. Se eu fosse um pouquinho mais irresponsável, poderia prever que o hype em torno deste This is a fix durará algumas semanas, mas a tendência é que ele evapore assim que o Friendly Fires (queeeem?) lançar o álbum de estréia. São duas bandas que fazem pop com a grandiloqüência de um batalhão de metaleiros from hell. Depois de assistir a um show do Muse, fica bem claro que o rock britânico embarcou numa fase Spinal Tap. Haverá volta?

Por enquanto, a ilha está pegando foooooogoooooooo (e leia essas últimas duas palavras como se eu vomitando aqueles agudos esganiçados do vocalista do Angra). Se lançado em meados de 2002, This is a fix seria rotulado de neo-brit pop, com refrãos grandalhões à Kaiser Chiefs. O primeiro disco deles, Not accepted anywhere, de 2006, era quase isso. Agora, assumidamente inspirados no Muse, o quarteto inventou de gravar um álbum com “canções que às vezes parecem um cruzamento de Nine Inch Nails com System of a Down”. Ok, conseguiram. Se bem que o coração do Automatic ainda parece transplantado do The Vines de Highly evolved – um Nirvana sem as partes agoniadas.

Isto é: a banda toparia tudo por um refrão daqueles que ninguém nunca, nem com reza forte, conseguiria tirar da cabeça. This is a fix não tem esse refrão. Mas é esse álbum, gravado como um filme de ação de Michael Bay. Pura adrenalina, diria a equipe de marketing da gravadora. Deve render dois ou três hits, turnês animadíssimas e infinita dor-de-cabeça nos tiozinhos que não conseguem entender o valor de um riff com o peso de algumas toneladas.

A importância de This is a fix para nosso mundo pop é quase simbólica: o disco parece indicar uma certa tendência do rock britânico de reativar clichês do heavy metal sem o climão de auto-paródia de um The Darkness. Desconte isso e não nos sobrará quase nada. Quer dizer: nada além de muita adrenalina, cabelos ao vento e gritinhos que ficam ainda potentes quando acompanhados de efeitos especiais, gelo seco e um telão gigante.

Segundo álbum do The Automatic. 12 faixas, com produção de Richard Jackson e Butch Walker. B-Unique Records. *

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s