Nome próprio ***

Postado em Atualizado em

A história nem é tão nova: Nome próprio foi inspirado em dois livros e um turbilhão de posts de Clarah Averbuck, que hoje escreve no blog Adiós Lounge. Num texto recente, ela desabafa contra os que não a compreendem: ‘Eu uso a vida para a arte, o que é muito diferente de achar que é tudo a mesma coisa’.

Pois bem. Não é tudo a mesma coisa (e eu, ha-ha, bem sei disso). Daí a complexidade que reside neste filme aparentemente simples dirigido por Murilo Salles – e é o melhor dele desde Nunca fomos tão felizes. A protagonista, vivida por Leandra Leal, não é Clarah Averbuck. Melhor seria defini-la como uma mulher nascida num território nebuloso entre a confissão e a ficção.

Não é, como os apressadinhos ficarão tentados a resumir, um “retrato de geração”. Muito menos um filme sobre blogueiros. O buraco é outro. Murilo Salles evita tomar a personagem como símbolo, como emblema. Ela é o que ela é. O filme abre inúmeras possibilidades de análises, de interpretações sobre uma lista de temas: da solidão das metrópoles ao uso de blogs como aquele tipo de garrafinha com mensagens dentro que se joga no mar à espera de alguém que as encontre. Mas, antes disso, é um perfil psicológico. Que será entendido perfeitamente por quem não sabe o que é uma conta de twitter.

Eis o retrato de um período intenso na vida de uma mulher aos pedaços. A woman under the influence. Que é sim imatura e calhorda e aloprada. Que escreve por precisar escrever (e, perto desse catatau de sexo, drugs and botecos-fedidos, um filme sobre meus blogs seria uma animação da Pixar). No início da trama, nossa heroína é chutada pelo namorado. A partir daí, não importa muito que saibamos de onde ela vem (de Brasília, certo, mas não espere um histórico detalhado), o que ela faz ou quer da vida. São 120 minutos de transtorno, um processo criativo enlouquecedor.

Murilo Salles filma a erupção desse vulcão com urgência: as câmeras digitais grudam-se no corpo de Leandra Leal, numa atuação que dá sentido a uma personagem quase sempre contradtória. Leandra permite que nos aproximemos dela, que observemos o mundo por um outro olhar. É um trabalho, no mínimo, muito cuidadoso e inteligente (e nada como uma atriz capaz de dividir tão radicalmente com um cineasta a autoria de um filme).

O cineasta nem chega a se aprofundar nos conflitos de quem escreve ficção a partir da própria vida (o que, em blogs, virou lugar-comum). Nem faz questão de dar relevo aos personagens periféricos (o nerd, o namorado orgulhoso, o paquera desmiolado etc). Mas já me agrada muito como consegue, a partir de uma encenação tão intimista, sugerir um sem-número de possibilidades de narrativas sobre a angústia de escrever e a necessidade de comunicação e contato neste nosso mundo todo quebrado.

Mas calma lá: Nome próprio é, antes e acima de tudo, a história de uma mulher. De carne, osso, bits e tudo. De verdade. 

Anúncios

15 comentários em “Nome próprio ***

    Chico disse:
    julho 20, 2008 às 6:00 pm

    Nada me convence nesse filme.

    Tiago respondido:
    julho 20, 2008 às 8:57 pm

    Nem a Leandra?

    Érico disse:
    julho 20, 2008 às 10:54 pm

    Convence o quê? Não entendi.

    Diego disse:
    julho 21, 2008 às 4:43 am

    Leandra tá ótima. O filme é todo bem bom, e puts, é autêntico demais em relação à web. Acho que é o único filme que vi em que a internet não é uma ferramenta utilitarista, mas parte intrínseca da vida dos personagens (como é parte da minha geração).

    Rolou uma identificação muito legal com isso.

    Diego disse:
    julho 21, 2008 às 4:44 am

    E o nerd é inspirado em um jornalista bem conhecido por aí, hahahaha.

    Érico disse:
    julho 21, 2008 às 7:29 am

    Mas Internet é uma ferramenta utilitarista.

    Tiago respondido:
    julho 21, 2008 às 10:15 am

    Pobre jornalista, hahaha. Também achei bem autêntico em relação a essa geração toda, ainda que não tenha visto nele exatamente um “retrato de geração”. Enfim.

    Chico disse:
    julho 22, 2008 às 3:32 am

    A Leandra é muito boa e se esforça, mas é tanta frase feita, tanta poesia bruta forçada que nem ela segura as pontas.

    Diego disse:
    julho 22, 2008 às 6:08 am

    Pois é, a Clarah é uma escritora medíocre mesmo. O que só torna o filme ainda melhor: apesar do resultado do trabalho dela ser medíocre, o filme joga luz no processo criativo dela e a grande surpresa é que ele, o processo, é muito interesante.

    Tiago respondido:
    julho 22, 2008 às 10:08 am

    Vou ter que discordar. Não acho que ela seja uma escritora medíocre. Não li os livros, mas li os blogs dela em vários momentos. E tudo bem, existe muita imaturidade (mas qual é o blog maduro, diz aí?), só que daí a acusar a moça de escrever mal é um longo caminho. Nunca foram meus blogs favoritos, mas não acho.

    Diego disse:
    julho 22, 2008 às 1:10 pm

    Ah, Tiago, sorry, mas ela é medíocre como escritora, as referências dela são óbvias, o trabalho dela com essas referências é raso e tudo mais. Eu lia o brazileira!preta e, puts, era cheio de som e fúria, ok, mas uma frase feita atrás da outra.

    Tiago Superoito respondido:
    julho 22, 2008 às 1:26 pm

    Ok, Diego.

    Diego disse:
    julho 22, 2008 às 4:57 pm

    Mas o filme é bom. O filme. É. Bom.

    Tiago Superoito respondido:
    julho 22, 2008 às 5:01 pm

    Ok, agora você deixou sua posição muito clara. Muito. Clara. Sua posição.

    Diego disse:
    julho 22, 2008 às 11:02 pm

    HAHAHAHAHAHAHAH

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s