Dia: abril 26, 2008

The shape of things to come ***

Postado em

Há o grupo dos que vêem esta quarta temporada como uma espécie de ressurreição criativa de Lost – não sei ainda se faço parte dele. Não discuto, porém, o fato de que estamos num momento de transformação para a série, que se viu obrigada a abandonar um certo modelo narrativo para se adaptar a um formato mais compacto, de poucos episódios. Em outros carnavais, as temporadas eram divididas em três grandes blocos: à da introdução do conflito principal, seguiam o desenvolvimento e a conclusão. Agora, quase todo capítulo já chega com a pompa de uma season finale: carregados de reviravoltas, ação desembestada e desfechos bombásticos. Os que fogem dessa regra acabam soando simplesmente desnecessários (e até o anterior, com o perfil redundante do Michael, terminava com uma explosão).

Chamem-me de nostálgico ou do que for, mas não sei se prefiro esses novos tempos. Para abraçar a quantidade de personagens sem lapsos de lógica ou soluções forçadas de roteiro, uma narrativa mais folgada faz mais sentido. De qualquer forma, essa mudança trouxe uma nova pegada para a série, mais urgente e bruta. O tom, ainda que sem sutilezas, combina como uma temporada de conflitos violentos, molhada de sangue.

É por essas e outras que este novo episódio me parece um dos mais importantes da safra: ele finalmente banca essa nova direção da série, à Mad Max 2. Esta é, acima de tudo, uma história de guerra, de salve-se quem puder. E, maniqueísta como uma HQ de super-heróis, polarizada entre duas forças: o maquiavélico Ben e o milionário excêntrico Charles Widmore. Todos os conflitos da temporada (e talvez os das próximas) gravitarão em torno dessa dupla de personagens. A maior missão dos roteiristas, daqui em diante, é nos convencer de que valeu esperar tanto tempo para isto: testemunhar um jogo de gato e rato. Aos que esperavam respostas místicas e mirabolantes às questões mais obscuras sobre a ilha, pode parecer uma guinada até frustrante.

Mas não aqui, não neste capítulo. Coerente com o espírito truculento da temporada, o episódio vai direto à carnificina e, nos intervalos do tiroteio, explora a psiquê de alguns dos tipos principais da trama. A perversidade de Ben (o centro da série, cada vez mais) leva um golpe cruel com a decisão de brincar com a vida da própria filha. Enquanto isso, a confiança de Jack nos forasteiros desaba numa cena que, curtinha e dolorida, diz muito sobre o futuro do personagem. Isso sem contar os detalhes do encontro entre Ben e Sayid, quase um “acordo de cavalheiros”. O capítulo poderia até ter terminado sem a explicação para o “monstro de fumaça” ou a ótima cena do encontro entre Ben e Widmore, mas tudo isso acaba confirmando que esta é a temporada do excesso de informações. Vale lembrar que o grande enigma da primeira temporada era saber o que havia dentro de uma escotilha.

Contanto que essa overdose não dê num daqueles episódios esquizofrênicos de Heroes, vamos bem.

Anúncios

Post do exílio

Postado em Atualizado em

Não lembro, mas acho que foi o Renato Russo quem observou: Brasília é a cidade dos que dizem adeus. Conheço gente que anda sofrendo com isso. Num período curtíssimo (uma semana, menos), dois grandes amigos dessa pobre alma anunciaram a partida. E para longe. Não foram os primeiros, não serão os últimos. Deveríamos estar preparados. Mas nessas horas me engasgo. Aí recorro, como sempre, ao chavão. Brasília é a cidade dos que dizem adeus, é assim mesmo e sempre foi, culpe JK, Renato Russo já dizia e ele estava certo e estava certo como em poucas outras vezes ainda que eu não saiba se ele realmente disse isso nem quando e lalala.

Outro dia pensei em escrever um livro sobre Brasília em que cada capítulo seria fechado com a despedida de um personagem. E teria uns 70 capítulos. Parágrafo, parágrafo, parágrafo, parágrafo e despedida. Parágrafo, parágrafo, parágrafo, parágrafo e despedida. Eu avisaria na introdução: cada capítulo terminará com uma despedida. Bem didaticamente. Tipo Nick Hornby.

Sei que é burrice revelar esses planos num blog, nesse planeta de espertinhos. O primeiro malandro que digitar no Google ‘tiago superoito’, ‘projeto de livro’, ‘brasília’ e ‘despedida’ chegará a este post, roubará a idéia e se transformará no próximo Daniel Galera ou, na sorte, num Paulo Coelho teen. Se acontecer, espero que vocês testemunhem a meu favor. Ou, na pior das hipóteses, deixem um comentário de solidariedade.